Floresta Imortal

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir em baixo

Floresta Imortal

Mensagem por Kalysta em Ter 30 Jun 2009 - 15:08



Não muito longe das grutas movimentadas de Ksherna, um túnel leva a uma formação no mínimo curiosa. Várias árvores sem folhas e acinzentadas. Tudo em rocha sólida. Os troncos das árvores estão petrificados, até onde a vista alcança. A origem disso é um mistério, mas é um bom lugar para se caminhar à noite, pois a luz da lua que passa pelas frestas das rochas dá ao lugar uma aparência única.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Qua 18 Set 2013 - 21:22

Não era cedo, porém também não era tão tarde assim. O sol pairava um pouco acima das dunas de areia derramando seu tom alaranjado por todo o céu que já estava começando a mudar-se para tons mais obscuros. Poucas estrelas pairavam no céu, e as poucas que existiam pareciam estar se escondendo do magnifico do resplandecente “rei” que estava prestes a dormir. Bem perto dali, exageradamente no meio do nada pairava uma casa de madeira fosca de dois andares e a sua volta existia nada mais nada menos do que um grande deserto.
Dentro de tal residência festa era a única palavra que conseguia descrever aquilo, existia bêbados dançando uns com os outros, dezenas e dezenas de cortesãs com decotes “marcantes” e prontas para mocar o primeiro saco de moedas de um bêbado rico prestes a desmaiar em seus decotes, pessoas brigando em uma cena ridícula que mais se assemelhava a uma troca de tapas do que uma briga de verdade e o bom e velho som de piano que saia de uma pequena caixa de som que era o bastante para que aquilo fosse o som mais elevado do local.
No canto direito do bar pairava uma enorme escadaria com um bem centralizado tapete vermelho, havia cerca de quinze mesas redondas distribuídas pelo local com cada uma quatro cadeiras e no lado esquerdo um retângulo de madeira com uma espécie de atendendo sentada ao lado de uma caixa registradora fazia o papel do balcão. Porém ela não era uma simples atendente, era simplesmente a mulher que mais chamava atenção no local, seja por sua pele aveludada, ou por seus “dotes” físicos, ou seus lindos cabelos rubros encaracolados.
No andar de cima existiam cerca de seis quartos, todos eles estavam trancados. Apenas por passar no corredor qualquer pessoa perderia sua pureza apenas por ouvir as palavras que escapavam dos quartos, e em um dos quartos estava Nyer, acompanhado de duas belíssimas mulheres que aparentemente não estavam ali para jogar truco. Havia um silêncio enquanto Nyer parecia pensar em milhares de coisas.
– Então... – As boxeias da mulher da esquerda, de cabelos ruivos coravam, porém repentinamente seus olhos começavam a ficar brancos e pouco a pouco o cenário começava a descascar e sumir deixando Nyer sentado no completo nada de frente para uma mulher de olhos brancos. – Você sabe que isto é pecado... Não é milord? – A voz era conhecida, era Greed...
– Você não sabe como é broxante quando você faz isto...
– Desculpe... Mas já passou da hora de acordar!
...
Algumas horas se passaram, o barulho do pé do demônio se chocando contra o chão deixando um estalo seco, os olhos dele correndo pelo ambiente na tentativa de aquilo esclarecer onde ele está não ajudava em nada. Por dentro ele se via em um mar de memórias e tentava selecionar qual delas iria levar o mesmo à solução de seu problema. Pelo que ele conseguiu reunir ele havia pegado carona com um grupo de elfos que iam para um tal de “Ksherna” que tinha alguma coisa haver com anões, porém apenas saber aquilo não ajudaria em muita coisa...
- Milord... Você está na Floresta Imortal caso seja isto que você quer saber... É uma floresta bastante diferente das outras... Você veio parar aqui após se “expulso” do grupo de elfos, após matar todos eles...
No fundo o demônio se sentia mais confortável em saber onde estava, mas fingiu que não havia escutado a informação para manter seu orgulho intacto. Após caminhar algum tempo para qual quer direção balançaria a foice como se estivesse regendo uma orquestra imaginaria. Seus movimentos provavelmente não seriam exatamente iguais ao de um maestro por não conhecer exageradamente nada sobre musica, mas mesmo assim ele efetuaria uma serie de movimentos em um com sua foice e após repetir isto cinco ou seis vezes iria começar sua musica:
- Kin to Gin de tsukure, tsukure, tsukure… Kin to Gin de tsukure, tsukure, tsukure… My Fair Lady.
Após repetir duas vezes a musica ele murmuraria o ritmo da musica duas ou três vezes até em fim parar de cantar, rir por alguns instantes dele mesmo e seguir caminhando por entre a floresta em busca de algo que possa ser divertido.
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Seg 23 Set 2013 - 7:41

@Nyer


Poucos são os que se aventuram pela região, normalmente os que se perdem de seu caminho acabam aparecendo por esta localidade, mas apesar de sua aparência não há muito com o que se preocupar.

Já havia alguns minutos que Nyal estava andando pela floresta, nada fora do comum, apesar de tudo ser fora do comum, seus passos só eram escutados quando o jovem pisava em um galho fino e seco que se encontrava no chão, fora isto sua presença era quase inexistente.
 
Alguns desvios dos galhos mais baixos, saltos dos que estavam mais ao chão, esquivo das árvores, que se encontravam quebradas. Nyal se depara com algo fora do comum para o local, ou não.
 
Algo que parecia se um metamorfo parecia não estar bem, o metamorfo se debatia no chão, sua pele parecia ser de borracha, podiam se ouvir os ossos quebrando e de sua pele vapor saía, parecia que estava muito quente. Fora o som da transformação nada mais era olvida.
 

Alguns segundos e o que antes era horrendo, agora tomou forma e uma bela forma, claro comparado com o que era. Uma mulher loira apareceu, suas vestes eram brancas,iguais a sua pele e seu cabelo era loiro, quando ela o encarou calada, Nyal pode ver que seu olhar era tão vazio quanto o inferno.

avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Seg 23 Set 2013 - 20:29

Parecia tudo normal, dentro do possível claro. Nada exageradamente nada fazia com que o silêncio constante do local fosse quebrado, até que pela primeira vez Nyer pisa em um galho qualquer e o simples e seco “crekt” fazia o silêncio não ser assim tão instável e no fundo Nyer gostou daquilo e por vontade própria ou não aquilo se repetiu mais algumas vezes. Seus olhos rubros corriam por toda parte em busca de algo que possa ser útil, mas o que era visto era árvores e árvores contorcidas.

Algumas vezes o demônio olhava para sua foice e após tentar firmar mais um pouco sua mão direita para ter certeza que aquilo não iria soltar sem querer e olha o que estava a sua volta. Foram incontáveis minutos andando e andando, e fazendo as mais variadas coisas para contornar os mais diversos obstáculos que o bioma tipicamente apresenta.

Porém sua caminhada não foi em vão, ver um ser vivo fez tudo aquilo valer a pena... Não que possamos chamar aquela coisa se contorcendo no chão de ser vivo, mas na mente de Nyer funcionava a mais simples e pratica teoria: “Esta mexendo, está vivo!”, mesmo que aquilo parecesse um tanto inculto para um Ashtaar era a maneira mais simples de catalogar as coisas. Por alguns milésimos de segundo o demônio estudava mentalmente o que aquilo poderia ser, mas aqueles estalos eram realmente extremamente estranhos... Sem falar de sua pele, que mais parecia uma lasca de dezenas e dezenas de elásticos fundidos e ainda por cima aquilo saia vapor.

– O que diabos é isto?

– Não tenho a menor ideia, milord... Mas talvez seja um metamorfo, que pelo visto não está nas melhores condições de vida.

Fazia sentido o que Greed havia falando, e os fatos que iriam ocorrer no passar do próximos segundo tornaram o argumento da foice incontestável, até mesmo para Nyer e seu orgulho intocável. A criatura começava a se transformar, nem Nyer nem ninguém conseguia descrever tamanha bizarrice em palavras ele apenas via aquilo e tentava não fazer uma cara de nojo.

E quem diria, aquilo se transformava em uma mulher, que por sinal não era feia... Seus cabelos dourados, pele branca e sua armadura fazia com que Nyer tivesse uma pequena sensação de que ela fosse um anjo, mas pelo muito que ele conhecia sobre tal raça eles não viravam aquela bizarrice. Contudo... Aqueles olhos, eram frios demais, até para demônios...

– Beleza, o que diabos você é? – Falava Nyer enquanto colocava-se em uma posição de defesa que em segurar pouco mais de dez centímetros da lâmina da foice e com a outra mão ficaria mais ou menos vinte centímetros da ponta da arma; e distanciaria uma perna da outra pouco menos de um metro, deixando o pé direito um pouco a frente. – Espero que você não seja um inimigo, não gost...

– Milord, lembrando que o senhor não esta em um dos lugares mais confiáveis do mundo para confiar em qualquer um!

– Greed... Relaxa! – Falava ele para sua foice em um tom despreocupado. – Voltando para você... Não gosto de bater em mulheres e estou andando há muito tempo para achar alguém e seria realmente uma má sorte você ser um inimigo.

Ele esperaria uma resposta, porém estaria pronto para lutar, como Greed avisou, aquele não era o melhor local do mundo para confiar em qualquer pessoa. Em qualquer sinal de investida ele flexionaria os músculos da sua perna do lado que o golpe era focado (com exceção de golpes na horizontal que seria necessário Nyer se impulsionar para trás) e daria um impulso para seu local mais favorável ficando o mais distante possível e imediatamente após o golpe de sua oponente ou após achar uma falha na defesa de sua inimigo Nyer investiria com toda sua velocidade na direção dela, ao estar a pouco mais de um metro jogaria seu braço para trás segurando com toda força sua foice para ela não sair de seu punho e no mesmo instante voltaria com toda força em um golpe na diagonal na tentativa de cortar do seu pescoço até seu quadril. Caso não seja um inimigo ele seria o mais sociável possível, porém sempre ficaria com um pé atrás pronto para lutar a qualquer momento.
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Qui 26 Set 2013 - 23:01

@Nyer

A garota estava ali parada, via e escutava tudo o que o jovem fazia e falava, mas nem se quer piscava, sua face não se movia e seus olhos não piscavam, enfrentando o lado da química que exige lubrificação das retinas.

A única coisa que mexia na loira eram exatamente a coisa que mais chamava atenção nela, os cabelos. Conforme as rajadas tocavam seus cabelos eles balançavam graciosamente e magicamente em movimentos leves e irresistíveis.

-Não.-

A vos da garota era doce, porém era tão doce quanto o fruto mais doce do planeta, porém sua voz também era carregada com tanta energia negativa que apenas os seres das trevas podiam perceber, o efeito do som no aventureiro foi um arrepio, arrepio tão humano que o mesmo por alguns segundos esqueceu o que era.

-Não me recordo de ter você em minha memória como inimigo, até mesmo porque sua raça é inferior a minha e não oferece risco algum.-

As vozes soaram como agulhadas, ameaças e um aviso amigável. Tudo isto ao mesmo tempo, coisa que poderia confundir a cabeça do aventureiro, ou apenas esclarecia as coisas, tudo depende da forma que ele a interpretaria.

-A julgar pela sua posição de defesa, me surpreende como ainda esta vivo.-
avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Dom 29 Set 2013 - 22:55

Sim existe pessoas estranhas, mas aquela garota era um exagero... Parecia aquele tipo de personagem feito para que todas as meninas gostassem dele e que no fundo mesmo todos tivessem o mais resplandecente ódio por aquilo. Poderia parecer brincadeira, mas aquela cena seria perfeita para um daqueles gibis japoneses feito para adolescentes insanos que realmente estavam ali para ver tripas voando em conjunto com o continuo gotejo de sangue nas vestes do carismático e imortal protagonista. Sim, no inferno existia aquele tipo de pessoa em quilos, mas fazia um bom tempo que Nyer não via algo naquele nível. Bem no fundo ninguém queria se lembrar de coisas ligadas ao inferno, mesmo que esta pessoa seja um demônio... Porém existia um lado divertido de ser um demônio e estar no inferno, contundo nada disto vinha ao caso.

A “mulher” ficava ali como uma peça de decoração de um saguão de um hotel de luxo que muitos não se davam o trabalho de sequer parar seus olhos por alguns míseros segundos, não era um exagero, ela nem ao menos piscava, Nyer nunca foi muito esperto, mas o tempo que ele viveu como um humano ele aprender que tinha que piscar queira ele quisesse ou não. Contudo ela parecia estar escutando, não, ela estava escutando cada palavra do general do inferno.

O demônio ficou muito tempo olhando para seus olhos que acreditava que ela não estava se movendo pelo motivo dos olhos não estarem fazendo aquilo, mas após desviar sua visão dos olhos penetrantes daquela coisa ele notou que seus cabelos estavam se movendo, se movendo como um punhado de pétalas de rosas douradas que dançavam sobre o vendo como se o mesmo fosse sua montaria...

“Não cobiçar a mulher do próximo... Serio, quem se importa? Eu não me importo! E sei lá, vai que nem tem este tal próximo... Bem, se tiver não estou pouco me lascando, irei para o inferno pelo simples fato de ser um demônio então a baboseira de não pecar não se encaixa em meu ca-”

Seu pensamento era interrompido pela curta resposta que vinha como uma facada de medo. Não, não pode ser sua voz, a voz era linda, pura, como toda a mais galante e afinada arpa de bronze... Existia outra coisa naquilo, era como se sua voz estivesse carregada com a escuridão que nem mesmo o vácuo possuía, uma energia negativa digna de Satã. Satã? Por que um metamorfo lembraria um demônio de seu líder? Não... Ela não lembrou o líder, ela simplesmente conseguiu arrancar a parte humana de Nyer e fez o mesmo revelar aquilo em milhões de pensamentos que ele conseguiu apenas selecionar um deles... Realmente, não tinha como aquilo ser um simples metamorfo, existia algo a mais... Porém ela continuava falando e pelo que foi notado ela não fazia o tipo humilde.

– Nossa, como você se superestima... – Uma pausa para dar um singelo suspense e em seguida colocaria um tom mais obscuro em suas palavras pronunciando elas mais devagar como se estivesse se deliciando com cada letra proferida pelos seus lábios. – Bem... É nesta defesa que venho me virando e digamos que os anjos nunca reclamaram muito... Porém não devemos satisfação um ao outro...

- Milord, ela falou da sua raça... Vamos, seria bem mais útil partir ela em uma dezesseis partes dai poderíamos ir por partes... Hahahahaha! Sacou a piada? Muito boa... Nossa devia ir para aqueles bares que os humanos idiotas fazem stand up...

“Você ia tomar ovada em um lugar como estes...”

- Que nada, o senhor que não tem bom gosto para piadas...

- Bom, realmente espero que você seja confiável... Você sabe uma maneira de sair desta floresta? Não aguento mais ficar em um lugar como este sem “ação” nenhuma... Só árvores e árvores... Senhora... Espera, ainda não me apresentei. Muito prazer, meu nome é Nyer.

O demônio tinha a esperança que ela iria falar, mas provavelmente aquilo não iria acontecer e no fundo ele sabia disto, dando certo sua apresentação ou não ele usaria sua infravisão que como provavelmente não existe nenhuma fonte de calor muito forte por perto ele iria poder ver no escuro, caso tudo ocorra como o planejado ele poderia ver se existia algum tipo de armadilha nos arredores e no final tentaria detectar alguma fonte de calor que não seja ele, a garota metamorfo (caso não consiga ver no escuro esta seria sua única alternative). Mesmo sabendo que a mulher não era um inimigo ele usaria suas estratégias de ataque e defesa que usaria anteriormente caso ele atacasse. Caso ela saiba sair da floresta Nyer a seguiria pronto para lutar a qualquer momento. Caso ela não sabia ele perguntaria se ela tinha alguma sugestão de o que fazer, caso ela mande ele caçar seu rumo assim ele o faria e tentaria por si só sair daquele lugar.
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Dom 6 Out 2013 - 21:42

@Nyer

A garota continuava tão imóvel quanto antes, e agora soltou uma resposta que não será muito aproveitada pelo rapaz.

-Se quer sair, porque entrou?-

Falou e se moveu, ficou de lado para Nyer e agora parecia procurar algo com os olhos, estava olhando atenta para vários pontos ao mesmo tempo, somente seus olhos se mexiam, tão rápido que Nyer levou alguns milésimos de segundos para perceber que eles estavam se mexendo.

Voltou a posição inicial, de fronte para Nyer e continuava com os movimentos dos olhos, novamente virou, agora para o lado oposto a primeira vez, seus olhos continuavam a se mexer, o que ela estava fazendo? Bom ela simplesmente estava caçando seu inimigo. Mais umra vez voltou a se mexer e ficou novamente olhando de fronte para Nyer.

Nyer que mais uma vez não estava olhando para os olhos da garota, levou exatos 2 segundos para perceber que ela olhava para acima de seu ombro e um arrepio tão intenso quanto o outro subiu pela sua espinha.

-Não se mexa.-

Após terminar de falar ela finalmente se moveu e partiu para cima, em direção a Nyer que após piscar e contrair o primeiro músculo sentiu a temperatura cair em um risco em seu rosto, não foi um arranhão, mas sim uma jarrada de vento e ao abrir sua palpebra viu o rosto da mulher colado ao seu e sua espada ao lado, no local aonde sentiu o que parecia ser um arranhão, ali estava ela linda e feia ao mesmo tempo, adorada e odiada, quente e fria mas estava ali.

Aos poucos ela retirou sua espada, e sangue era o que cobria o brilho da mesma que fazia o som conhecido por Nyer, o som da espada saindo do corpo da sua vitima, de várias das suas vítimas, ela deu um passo para traz e baixou sua espada.

Atrás de Nyer, estava um kakuseisha, uma raça de demônios tão sombrios que só demónios das mais altas classes os conheciam. Este era um Kakuseisha verme, tão silencioso quanto um fantasma.

avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Qui 21 Nov 2013 - 23:42

E a garota fica ali parada. Por alguns instantes Nyer achou aquilo normal, porém segundos depois algumas expressões que mostravam que ele não estava entendendo exageradamente nada do que estava acontecendo em sua volta nascia na face do demônio que tentava entender como um ser vivo poderia ser lago como aquilo, nem mesmo ele que é um demônio conseguia ser algo com deslocado do principio humano e com toda certeza um demônio sabia bem mais o que é sofrer do que um metamorfo qualquer que se acha superior a todos. E repentinamente ele falava, novamente como se estivesse dando uma facada na alma de Nyer. Pena que ele não tem uma alma.

- Realmente não sei como vim parar aqui...
- “Não seja tão sincero, milord...”

A resposta do demônio não mudou exageradamente nada nas atitudes daquele metamorfo. Ela seguia para o lado do demônio que olhava para ela com um olhar forçado de paz e serenidade que com toda certeza ela conseguiria notar que aquilo é falso. Porém por um momento seus olhos começavam a chamar a atenção havia algo de errado neles, mas o demônio de inicio não conseguia fazer seu cérebro raciocinar rápido o bastante para processar a informação do que estava acontecendo naquele exato momento porém quase que no mesmo instante que ele começava a pensar que seu cérebro era realmente inútil ele percebeu que elas estava olhando para locais diferentes em busca de algo ou alguém.

Ela voltava para onde estava desde o inicio de o inicio do encontro daquelas duas criaturas que realmente eram bem diferentes uma da outra. Ela continuava a mover seus olhos, chegava a ser agoniante para o ceifador aquele movimento e a única coisa que o deixava com maior agonia do que aquilo era forçar seu cérebro a tentar entender o que ela estava buscando e como não achava a resposta era bem frustrante fazer aquilo, contudo inconscientemente ele fez aquilo dezenas de vezes. Ela parou com aquilo e começou a olhar para Nyer que em resposta usava seu olhar penetrante e sua habilidade em sedução para ser o mais persuasivo possível na troca de olhares.

- “Odeio ela...”
- Eu estou tentando entender o que diabos ela está fazendo... O demônio sussurrava para sua foice enquanto movia seus olhos para sua direção.
- “Você sabe que não é boa coisa, milord.”
- Sim... Eu sei...

E mais uma vez ela voltava a fazer isto, contudo o demônio estava olhando para sua foice e apenas notou que ela voltou a fazer aquele ato agonizante após dois ou três segundos. Com toda certeza, se aquilo fosse um golpe o ceifador estaria em péssimas condições neste momento. E o alerta dela aparecia em conjunto com um movimento extremamente ofensivo em direção ao Ashtaar que já entendia que aquilo era um sinal que ela não era um inimigo, apertaria os dedos em volta de sua foice preparado para efetuar um golpe que iria partir a mulher em dois, porém ela era bem mais rápida que o próprio instinto de batalha de Nyer e com isto ele apenas via ela acertando algo atrás dele com um golpe que usava uma rajada de ar como “arma”. Esta rajava também acertava o ceifador e deixava cortando levemente sua pele e fazendo uma bela gota de sangue escorrer por todo seu rosto.

Caso ela tenha matado o demônio ele olharia com um olhar torto para mesma e indagaria o que ele pretendia com um movimento tão ofensivo, e não seria muito ruim ela avisar que havia algo daquele porte atrás dele. Caso o demônio ainda esteja vivo Nyer abriria um sorriso de orelha a orelha e tentaria me distanciar dando alguns pulos para frente e ao dar o ultimo pulo giraria meu corpo no ar tentando cair de frente para o monstro e neste momento colocaria a ponta da minha foice alguns milímetros acima do solo e iniciaria uma corrida na direção de meu oponente e ao estar a pouco menos de um passo do mesmo jogaria meus braços para trás e os puxaria com força tentando dar um golpe de cima para baixo que provavelmente ira dividir meu inimigo em dois. Usaria meu sentido de infra visão para ver o calor os músculos de meu oponente que provavelmente se aquecem ao executar algum tipo de movimento e com isto usaria toda minha velocidade para usar meu pé esquerdo para me impulsionar para trás e caso ele de um golpe que vá em linha reta me impulsionaria para o meu lado mais favorável.
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Ter 26 Nov 2013 - 22:28

@Nyer


O golpe foi certeiro, sem erros, sem distracções. Se fosse para matar o jovem ela teria o matado antes mesmo de ele pensar em reagir.

O corpo do inimigo caiu no chão fazendo o barulho de uma cobra gigante caindo da mais alta árvore desta floresta, os olhares se trocaram e o gelo continuava o mesmo, sem demonstrar nada como todas as outras vezes que ambos se olharam.

As árvores agora soltavam folhas e pequenos galhos, sinal do balanço que o inimigo fez, nem um deles acerto jovem, mas servia de distração. Alguns segundos se passaram antes da garoto que não piscava desviar o olhar para a direita e virar seu corpo seguindo seu olhar, colocou a espada no lugar e seguiu seu caminho dando de costas para Nyer sem ao menos demonstrar medo, ou precaução. 


avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Qua 27 Nov 2013 - 23:28

Olhava com espanto para onde a mulher havia atacado, realmente havia achado que ela havia tentado me matar. Deparava-me com um demônio que normalmente residia nas partes tão profundas do inferno que nem mesmo eu havia ficado muito tempo em um lugar como aquele... Era realmente estranho Lúcifer deixar um monstro como este passar pelos portões do inferno sem que haja um colapso no mundo humano. Olhava para minha foice com espanto, ela era do céu e sabia como um demônio daquele nível não podia andar pela terra. Por sorte a mulher conseguia efetuar um golpe preciso o bastante para matar aquele ser com apenas ele.

- “Realmente é estranho um demônio deste porte estar andando por ai, milord... É pecado violência, mas esta mulher é estranha demais...”
- Estou vendo... Contudo, relaxa. Tenho um plano.
- “Não sabe como temo mais seu plano do que esta mulher envia da parte mais fria do inferno...”

Aquele monstro vinha lentamente caindo, para mim não era apenas um demônio sendo morto por um homem que almejava fazer o bem. Aquilo ali era a demonstração que eu realmente não podia brincar com este metamorfo, uma hora ou outra ela vai tentar abrir um buraco em mim com este golpezinho de vento cortante que matou este cara. E ele em fim se chocava contra o chão, parecia como se uma serpente gigante estivesse sido morta no topo da árvore e caída dela fazendo um barulho grande o suficiente para assustar a qualquer humano indefeso, contudo eu estava fora desta lista, já vi coisa demais para me assustar com isto. As folhas das árvores dançavam com o vento e de pouco a pouco vinham descendo; alguns galhos também caiam da árvore que o demônio foi abatido, mas nada me atingiu.

A mulher dava as costas para mim, por um instante apenas tinha em mente seguir a mesma... Contudo no momento que chegasse em uma distancia que a lâmina de minha foice consiga cortar  jogaria meus braços para trás e os puxaria com força tentando dar um golpe da esquerda para a direita com o objetivo de arrancar a cabeça de minha vítima. Ela já havia passado dos limites e dar as costas para um demônio na minha casta era um pedido de morte. Para evitar que ela note meus movimentos tentaria ser o mais veloz possível e assim fazer um golpe único que mataria minha “companheira”. Não havia gostado dela desde que falou de minha raça. Para um Ashtaar, como eu, é um pedido de morte falar que sou inferior a qualquer monte de carne que anda por entre este mundo abarrotado de pessoas fúteis e incrédulas. Caso ela não morra em meu primeiro ataque usaria meus sentidos apurados para notar qual músculos ela estava aplicando força seja vendo com minha infra-visão ou seja usando meu olfato apurado para isto, notando o músculo ou não tentaria me esquivar para o meu lado mais favorável efetuando um pulo e um giro de cento e oitenta graus para este mesmo lado ou me impulsionando para trás para golpes na vertical. Caso consiga matar o metamorfo me transformaria em uma raposa e assim esperaria seu sangue fazer uma poça para que eu possa apreciar o seu sangue.

- “Disse-lhe Jesus: Guarde a espada! Pois todos os que empunham a espada, pela espada morrerão... Por que ainda insiste em pecar, milord? Era apenas uma brincadeira quando falei para picar comigo!”
- Calado! Ela falou de minha raça... Apenas esperei a hora certa para decapitar esta coisa.


Última edição por Nyer em Qui 28 Nov 2013 - 14:39, editado 1 vez(es)
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Crimson Jack em Qui 28 Nov 2013 - 0:28

"Bem, agora que já comemorei meu aniversário, tenho que sair desse lugar e entrar em contato com o comandante."
Levanto-me, olho em volta tentando identificar o local no qual me encontrava, infelizmente sem sucesso. Observo o túmulo que havia feito para o jovem que havia me ajudado, suas roupas eram um pouco estranhas, pareciam ter saído de algum livro de fantasia, mas não me preocupei muito com isso e comecei a andar para a saída da caverna. Haviam plantas crescendo por todo lado e raízes tomando conta do local, assim que saio do que eu achava ser uma caverna, vejo o símbolo da minha unidade na parede logo ao lado da porta. Parecia algo que havia sido feito a muito tempo e estava meio falho, quando olho para frente me deparo com uma floresta, chamar aquilo de sinistro seria um elogio, saco minha faca e começo a caminhar com cautela pela floresta escura quando ouço uma voz.
"- Que belo lugar para assistir queimar não acha? Quer dizer se fosse eu já ia transformar esse lugar inteiro num cinzeiro, ia ficar parecendo que tinham fumado a floresta inteira.."
-O que?! Quem disse isso? APAREÇA!
Não sabia de onde aquilo estava vindo, e não imaginava que a voz que escutava na verdade vinha da minha cabeça. Fico em posição de combate e circulando para evitar ser pego de surpresa por qualquer ataque, caminho até perto de uma arvore e fico de costas para a mesma visando evitar ataques pelas costas.
"HAH, do que você está com medo?! Do vento? Não se preocupe, ele não parece estar muito zangado... as árvores também não parecem que vão sair andando por ai.."
Ao ouvir aquilo olho para os lados mas não enxergo ninguém, pela clareza que ouvia as palavras não era para estar muito longe. Paro um momento e penso, quem quer que estivesse falando aquilo não me queria mal, então resolvi conversar.
- Quem é você? E onde você está?
"- Bem, isto é um pouco embaraçoso, e vai soar meio gay, mas eu sou você e estou dentro da sua maldita cabeça... e cara, tenho que te dizer uma coisa, você deveria dar uma limpa aqui, ta tudo bagunçado."
- O que? Na minha cabeça? 
Logo um raio de bom-senso passou por mim, aquelas substâncias que injetaram em mim haviam criado aquilo que estava na minha cabeça. E alguma coisa me dizia que "ele" era o responsável pela morte do sacerdote na caverna.
- Foi você quem matou aquele pobre homem na caverna não foi?
"- Aquele homem na caverna, aqueles soldados que mataram John e todos que eu conseguia encontrar pela frente dentro daquela caixa de metal que eles chamavam de base... ah, e de nada por nos tirar vivos de lá. Diferente do que você está pensando eu não fui criado do que colocaram dentro de você, apenas fiquei mais "distinguível" do resto dos seus pensamentos..."
Aquilo era muita coisa para raciocinar e por hora resolvi apenas ignorar, comecei a caminhar novamente na floresta procurando por algum lugar que parece-se uma trilha. Caminhei por algum tempo até que ouvi um barulho que parecia algo grande caindo, curioso pelo que pudesse ser, mudo meu rumo em direção ao som e caminho com cautela e faca na mão para qualquer coisa que pudesse acontecer.
"- Que caralhos de barulho foi esse?? Parece até a tia Alva quando escorregou naquela laranja durante a festa no verão, hehe."

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Qui 28 Nov 2013 - 22:26

@Nyer

O golpe foi bem dado, e o corpo agora estava no chão, em pedaços em cima de uma grande poça de sangue. Detalhe foi a velocidade com que o jovem se transformou para poder se alimentar um pouco, o sangue era bom, e lhe daria energia para um bom tempo.

O único detalhe, que provavelmente passou despercebido foi que antes de acertar a jovem, ela olhou para ele gravando bem sua face, mas agora pouco importa, já estava servindo como repositor de energia para qualquer outra coisa, provavelmente uma viagem.



@Jack

Após uma breve descoberta de um possibilidade de que estaria em paranóia logo logo, o jovem decide correr na direção do barulho, sim além de louco o jovem era curioso, coisa que não é bom, pois a curiosidade matou o gato.

Após alguns minutos correndo, o jovem Jack se depara com uma espécie de Híbrido, mistura de Homem com Cobra, no caso uma Mulher. Estava sobre uma poça de sangue fresco, percebível que tinha morrido a pouco tempo. Mais a frente o jovem se depara com uma raposa lambendo suas patas após um banquete de sangue.

avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Nyer em Sex 29 Nov 2013 - 19:41

O resultado do golpe ficou acima do esperado. Realmente não tinha esperanças de decapitar aquela coisa em um movimento bastante simples que aparentemente uma pessoa com o nível de habilidade que ela apresentava deveria prever de um demônio como eu. Por um lado eu estava feliz, acabará de abater minha primeira presa do dia e poderia me alimentar com de sua carne ou simplesmente me dar o trabalho de apenas beber de seu sangue. Transformava-me em raposa com um tanto de agilidade e seguia a segunda alternativa de simplesmente beber seu sangue. O gosto de ferro, amargo, tornava aquela uma das bebidas que mais conseguia apreciar neste mundo humano onde a achava eu ser deveras mais divertido.

- “Não sei se você notou, mas o metamorfo olhou bem para você antes de morrer... Não duvido muito que esta coisa consegue fugir da morte com aquelas habilidades...”
“Vai me falar que ele vai fazer tipo Jesus?... Pelo que sei nada sobrevive depois de perder a cabeça!”
- “Baratas sobrevivem, milord. Não fale com tanto desdém do nosso senhor. E não duvido dos poderes dele... Ela poderia se regenerar de uma maneira surpreendente e se ela assim o fizer você estará morto. Sem duvida nenhuma ela não olhou para o seu rosto para apreciar vossa beleza como a última coisa que vai ver em sua vida.”

Aquilo me levou a pensar em como seria impossível confrontar ela em um combate direto. Ela apresentou uma velocidade que conseguia estar acima do meu instinto e pelo que pude perceber ela não se esforçou muito para fazer tal coisa e apenas Deus sabe como ela pode ser um monstro se usar seu poder total. Aquilo com toda a certeza me preocupava, não tinha como não ficar com receio ao perceber que em pouco tempo a mulher que você acabou de matar vai ressuscitar e te matar da pior maneira possível. Bom... Pelo menos de um fato estou aliviado: não importa o que ela faça comigo não irei sentir dor e isto me reconfortava o mínimo para pensar em como sair desta situação.

Contudo resolvia terminar de beber o sangue para assim ter energia para pensar em um plano e conseguir executar o mesmo. Bebia e me deitava de costas para o chão, satisfeito. Via minha pata suja de sangue, talvez tenha pisado em alguma poça e não havia notado. Resolvi lamber aquela pata, quem sabe isso pudesse me ajudar a pensar em uma maneira de manter aquela mulher ocupada tempo o suficiente para que eu saia deste fim de mundo. Parecia não adiantar muito no começo, contudo com o decorrer do tempo começava a pensar que mesmo que ela ressuscite se ela estiver enterrada será difícil até mesmo dela se mover ali dentro.

Meu plano já estava em minha mente, contudo meu olfato me fazia desviar minha atenção daquela ação. Um cheiro de humano. Não sentia este cheiro fazia alguns dias, desde o “incidente” com os homens que me deram a honra de sair do inferno. Um sorriso nascia por entre os meus lábios, mesmo que seja estranho uma raposa sorrir. Ele não parecia que estar com cara de alguém que iria fugir e talvez ele soubesse uma maneira de sair deste fim de mundo, todavia tinha que enterrar este metamorfo antes que ela comece a se regenerar e acabe me matando. Sacodia levemente o meu corpo para tirar os grãos de terra que poderiam ter se prendido em meu pelo, verificaria se ele tem dinheiro ou qualquer coisa que possa ser útil para mim em suas vestes e iniciaria a tentativa de cavar uma espécie de cova bastante funda para que caiba o corpo do metamorfo ali dentro. Conseguindo fazer a cova seguiria até o metamorfo mordendo-o pelo seu pé esquerdo e arrastaria ele para a cova tendo cuidado para não cair lá dentro, com o corpo lá dentro usaria a terra que tirei do buraco para novamente tampar ele. Caso use toda minha energia para fazer isto seguiria até alguma poça de sangue e me “reabasteceria” ali. Cavaria outro buraco em um lugar distante da primeira cova fundo desta vez menor, porém com a mesma profundidade e que caiba a cabeça do metamorfo. Conseguindo cavar o buraco seguiria até a cabeça e a colocaria no buraco e novamente fecharia o buraco.

Com o trabalho feito olhava para o humano enquanto tirava a terra do meu pelo chacoalhando o meu corpo. Não tinha motivo para matar ele, não ainda. Ele parecia não ser uma pessoa desinformada nem nada do tipo. Talvez seja bastante útil para me tirar desta floresta, mas ele nunca confiaria em mim se descobrisse que sou um demônio, pior, se ele descobrisse que sou um Ashtaar. O plano inicial seria ficar como uma raposa a menos que ele tente avançar contra mim, neste caso não hesitaria em me transformar em um “humano” e me preparar para um combate sangrento. Porém se tudo decorresse normalmente me manteria na forma de raposa seguindo para próximo dele e logo em seguida olharia para algum dos lados esperaria ele tomar algum rumo. Não havia como ficar próximo da vala da mulher que a qualquer momento poderia sair dali... Sair desta floresta seria a melhor das escolhas.

- “É bom não matar outro desconhecido, milord... Isto me lembra uma piada, mas ela não vem ao caso. E também é bom sair daqui o mais rápido possível caso ainda almeje ficar vivo.”
“Eu sei... Este humano pode ajudar-nos a sair daqui... Por hora vou manter ele vivo.”
- “Isto é se aproveitar da boa vontade alheia e como você sabe isto é pecado...”
“Idai se é pecado? Vai falar que eu vou para o inferno quando eu morrer? Eu vou pecando ou não!”
- “Fazendo boas ações até um demônio pode virar um anjo...”
“HAHAHA! Boas ações... Deram-me a chance de vir para o mundo humano para me divertir com a minha estadia aqui. Não vou bancar o bom samaritano em um lugar onde posso fazer o que quero! [...] Se bem que o inferno não é muito diferente daqui não... Quando pequei o meu posto de Ashtaar tudo ficou mais fácil...”
avatar
Nyer
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Crimson Jack em Sab 30 Nov 2013 - 14:21

Corro por alguns minutos, parecia que aquela floresta nunca ia terminar, mas por fim chego a um lugar um pouco mais aberto. Obviamente ainda rodeado por árvores, observo algum animal selvagem e me espanto com tal visão, não era algo normal de se ver em meios 1993.

- WHATAFUUUUUUUCK? QUE MERDA É ESSA?

Me acalmo tentando entender a situação e observo mais a frente uma raposa bebendo sangue de alguma coisa que não conseguia decifrar direito o que era, talvez porque faltava a maldita cabeça. Observo a ação da raposa, alguma coisa era suspeita naquilo tudo, quando a mesma termina seu processo de enterro observo que ela olha para mim e então me abaixo e estendo a mão, no momento que ela me olha "ele" começa com seu falatório.

"- Olha só quanto sangue num lugar só, me lembra de quando eu estava naquela base militar. A sensação que eu sentia com as nuvens de sangue pairando era ótima, vamos fazer isso de novo! Vamos? Quando eu matei aquelas pessoas inocentes, a sensação foi a melhor... eles estavam tão vermelhos que pareciam tomates cortados com ketchup por cima."

- Não se preocupe, não vai matar desconhecidos de novo... e sem mais piadas por favor... -Respondia "ele" normalmente, afinal ao meu ver eu era o único ali.

"- Tudo bem senhor certinho, então vamos procurar a saída e ir embora daqui rápido."

- ... Na parte de sair daqui concordo com você...

"- Ah, então mesmo tentando se fazer de anjo você concorda com seu demônio..."

- ... O que? Que papo é esse de demônios e anjos? Bem, enfim... tenho que encontrar a saída desse lugar logo - Olho para a raposa e sorrio. - E então? Vamos sair daqui amiguinho, odeio ficar perto de cadáveres então quero ir para bem longe do que você enterrou lá e daquilo ali que eu não sei o que é... - Aponto para o híbrido. - ... Então vamos lá.

Levanto-me e começo a procurar algum graveto pelo chão, caso encontre começo a ir em uma direção enquanto raspo o graveto. Caso não ache algum, pego uma pedra e tento marcar as árvores enquanto sigo reto pela floresta, observando de vez em quando a raposa para ver se ela me seguiria ou não.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Qui 12 Dez 2013 - 13:40


@Crimson Jack e Nyer


Após a sena não muito convidativa que Jack presenciou, acabou por de certa forma acolher a pequena raposa que tinha enterrado a loira para evitar algo pior. Um cafuné na raposa e o jovem achou uma pedra pequena e afiada, começou a marcar as árvores para sei lá, se localizar?


A floresta era a mesma, o jovem ia marcando as árvores a medida que se afastava do ponto inicial, vozes e gritos eram escutados ao longe, pareciam que pessoas eram torturadas por todo o lado, mas não havia ninguém, era apenas um truque da própria floresta para assegurar que ninguém saia dali vivo.

O local agora estava esverdeado, verde puro e não com tons de vermelho como era o local da chacina a muitos metros atrás. Jack mesclava olhares para a raposa que o seguia e para todos os lados, apenas averiguando se estava tudo no seu lugar. Depois de mais ou menos uma hora de tédio finalmente algo começava a acontecer naquela floresta, era possível escutar som de espadas, uma batalha estava sendo travada perto dali.



Última edição por Sta. Raiza em Qui 19 Dez 2013 - 22:05, editado 1 vez(es)
avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por -Imperius- em Ter 17 Dez 2013 - 17:59

O cochilo que durou cerca de poucas horas enfim chegava ao seu final. Os olhos, semicerrados como sempre ficam naqueles momentos, me dava um ar de morto. Quem sabe eu realmente não estivesse. Os lábios abriam em um profundo e sonolento bocejo, enquanto as presas eram expostas para o ar noturno. A língua, sedenta por sangue, molhava os lábios tão ressecados pelo sono. - Hoje o luar está lindo... - Dizia sem ao menos olhá-lo. Será que eu o sentia? Ou será que só estava tentando quebrar o frio silêncio do ambiente? Na verdade, eu não precisava. O som das espadas já fazia isso por si só.


Equilibrado em cima de um galho fortemente preso ao tronco de sua árvore, eu caminhava com passos de felinos, tendo um equilíbrio quase sobrenatural sobre aquilo. Ao chegar em sua ponta, abriria os braços, deixando que todo o vento e brisa do mundo dos vivos acordasse meu corpo. E, num movimento suicida, eu deixava meu corpo cair. 


Como não amar a adrenalina? Como não amar a sensação de que sua vida (que pode não estar tão "viva" assim) está por um fio, prestes à acabar? O corpo começava à desmanchar-se, formando algo como uma densa fumaça preta, que ia diminuindo a velocidade da queda. Por fim, meu rosto era só um suave formato na névoa que se espalhava para dar uma sensação de naturalidade no ar. E assim eu caminhava no mundo das sombras enquanto observava atento o mundo carnal. 


O bater de espadas me despertava de algo que poderia ser hostil. Olharia entre as árvores para verificar o que estava acontecendo, esperando que alguém saísse extremamente ferido para, talvez, se tornar meu primeiro café da manhã.


OFF:
Bem, como o Nyer que me convidou para o fórum, começarei à participar das aventuras dele.  Smile 

Desculpe se o post não ficou muito bom ou se fugiu um pouco das regras do fórum. Com um pouco de prática eu acho que chego lá xD.

Ah, e eu não tenho o mesmo que os outros players, de ter o inventário abaixo da imagem... Se puder ver isso para mim, ficarei grato.
avatar
-Imperius-
Novato
Novato


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Carver Waver em Dom 12 Jul 2015 - 16:34

E lá estava Carver. A anos atrás, ele jamais imaginaria que tomaria tal decisão radical de decicar sua vida a uma caçada intensa aos vampiros, mas alguém precisava vingar as vítimas daquelas criaturas maléficas.

  O meio-youkai era um iniciante, mas mesmo assim já sabia o que fazer. Com seus anos de treinamento para rastrear vampiros e a ajuda de Sapphire, nenhum rastro dos monstros poderia passar despercebido aos olhos do rapaz. Ele decidira começar sua caçada em Ksherna, afinal aquela cidade era conhecida por dar lugar a qualquer raça, e é claro que vampiros não seriam exceções. 

  Apesar de sua determinação, as pernas de Carver estavam bambas. Ele se lembrava daquela noite sombria onde teve sua família adotiva morta de uma maneira terrível pelos vampiros, e sabia que qualquer erro durante um combate contra aquelas feras seria mortal. Sapphire, como sempre preocupada com seu companheiro, tentou acalmá-lo.

  "- Não há motivo para tensão. Você tem a mim e a sua própria força de vontade. Nenhum deles pode superar isso. " - Ela dizia.


  Carver nada respondeu, mas o apoio de Sapphire de fato surtiu o efeito necessário. O rapaz fechou os punhos com força e iniciou seu rastreamento, procurando qualquer sinal de vampiros por aquela floresta. Por cautela, o fez silenciosamente e entre as árvores.


[ Talento "Rastreio" utilizado ].
avatar
Carver Waver
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Kaidan em Seg 13 Jul 2015 - 20:29

Kaidan estava no início da sua aventura, sabe-se lá qual seria, e seu primeiro destino foi a tão falada cidade de Ksherna, já que era dito que este seria um local que dava espaço para qualquer um de qualquer raça. Existia um local melhor para alguém "especial" como o homem-primata? E assim ele seguia seu caminho até lá, como sempre mastigando a mesma erva de gosto adocicado.

  - É isso, Mori! Finalmente estamos chegando em Ksherna, a cidade dos anões. Mas o que são anões afinal? - Berrou ele para seu parceiro, que repousava numa postura folgada em seu ombro. Passar despercebido não era algo que Kaidan sabia fazer, não que ele fosse querer isso. Ao contrário, fazia questão de falar o mais alto possível para que qualquer um por perto o ouvisse.


  Mori, como resposta, fez sons e sinais com as mãos que apenas alguém que passou a vida com macacos entenderia. A grande cidade de Ksherna já era visível dali, mas como já se era esperado, Kaidan e Mori se distraíram.


   - M-Mori... eu estou louco ou tem algo de errado com aquela floresta? - Observou, notando e apontando para um dos túneis que levaria até uma floresta completamente petrificada. - Deveríamos investigar! Isso seria uma aventura de verdade! 


  O macaquinho, igualmente surpreso com aquele bioma diferenciado, não negou a ideia. Ao contrário, ele apressou seu parceiro a ir depressa checar o que seria aquele fenômeno tão estranho. Assim, Kaidan e Mori se aprofundaram na floresta desconhecida, e certamente não abandonariam aquele local até encontrarem algo interessante ou saciar suas dúvidas quanto ao motivo de tal alteração.
avatar
Kaidan
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Maven em Seg 13 Jul 2015 - 21:32

Já estava amanhecendo quando Maven, exausta, finalizava sua jornada até Ksherna. Há alguns meses que a bruxa têm passado por diversas cidades, em busca de aliados para poder, enfim, alcançar seu objetivo.

  Ela andava, silenciosa e solitária pela floresta. Almejava o poder, cada vez mais. E, para isso, seria necessário cruzar um longo e tortuoso caminho.

  Entretanto, não se sentia nem um pouco insegura quanto ao resultado. A garota tinha incontáveis defeitos, mas, sem dúvidas, ser convencida demais era um dos piores. Muitas vezes, acabava a colocando em situações perigosas que poderiam levá-la a morte facilmente.

  A bruxa ocultava sua raça, ninguém sabia exatamente quem era ela ou o que fazia, até porque nunca havia encontrado alguém em quem ela realmente confiasse para revelar tal fato.

  Dessa vez, ela sabia que conseguiria algumas pessoas para a ajudarem. Havia tido tal visão alguns dias antes, além de que, com suas habilidades de manipulação, isso não seria difícil de qualquer forma.

  Decidiu, então, se sentar embaixo de uma árvore e descansar um pouco. Teria muito trabalho pela frente.
avatar
Maven
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Ter 14 Jul 2015 - 13:28

@Todos



Carver, o Meio Youkai Caçador de Vampiros (COM QUEM VC TAVA FALANDO?)
Kaidan, o Youkai Gurila Guerreiro Brincalhão e seu inseparável Macaco chamado Mori
Mavem, a Bruca Elementista Egocentrica
 


OFF: TODOS JÁ SABEM O MEU MÉTODO DE NARRAÇÃO E AS REGRAS DOS MESMOS? SENDO ASSIM BOM JOGO.

Existem várias entradas para a floresta que apesar de ser morta é muito bela, ou não, depende do conceito de beleza de cada um. Para a Jovem Lia, lá era o lugar mais bonito de todos, silenciosa na luz do dia e pouco movimentado. Hoje com 16 anos de idade a Humana, desenhava em seu caderno as árvores petrificadas com vida, preferia a luz do dia, mas ultimamente ela não tem se sentido confortável com a luz do sol, não sabe o motivo, mas o mesmo exporto por muito tempo queimava sua pele, de igual a o fogo por alguns segundos.

Sentada ao pé do que antes era um carvalho ela já tinha desenhado quase tudo, pegou as árvores que estavam no seu campo de visão e faltava apenas uma, a palmeira a sua frente, a jovem que se vestia com cores vivas, lembrava muito uma ninfa com beleza extraordinária.

O caçador, utilizando de seu radar localizou Lia, mas era um sinal diferente, fraco, confuso nada igual a os que ele costumava localizar. Adentrando na floresta o Meio Youkai segue em direção na qual o sinal aparecia e desaparecia.

As árvores de pedra eram o que mais chamava atenção na floresta, deixando que as menores plantas passassem despercebidas, até mesmos alguns insetos que nelas repousavam. Mori puxava o Guerreiro Brincalhão para que se apressasse e adentrasse na floresta, ambos curiosos com a forma diferente da mesma pareciam crianças em um playground. Mori pulava de galho em galho, analisando e cheirando as árvores, algumas até eram alvos de pequenos socos vindo do macaquinho. O mesmo era feito Youkai, porém este mais civilizado analisava as arvores enquanto caminhava pelo chão, tocava, batia com os dedos e sentia sua textura rochosa, uma a uma na medida em que ia cada vez mais ao centro da Floresta.

Segura de que seus objetivos seriam alcançados a Egocêntrica Bruxa, decide dar uma pausa na busca de seus objetivos, já estava caminhando a um bom tempo, mesmo sendo uma Elementista maravilhosa seu corpo era como o de qualquer outro ser no planeta, precisava descansar e se alimentar.
Em baixo de uma Cerejeira petrificada, assim como todo o resto, a Bruxa não se deu contra de que estava acompanhada de outra pessoa, a algumas arvores a frente estava Lia, sentada e pintando e mais ao fundo ela pode escutar o som de um macaco.
 

OFF2: TODOS VIERAM DE CAMINHOS DIFERENTES, E CHEGARAM ATRAVÉS DE PEQUENOS CAMINHOS DENTRE A FLORESTA ATÉ SEU CENTRO, ONDE ENCONTRA-SE LIA. A BRUXA PELA LÓGICA DE SEU POST ACABOU SENDO A PRIMEIRA A CONTATAR VISUALMENTE A MENINA.
avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Carver Waver em Qua 15 Jul 2015 - 0:41

Carver ao sentir a diferença no radar tentou chegar o mais rápido no local, mesmo estando nervoso e não ser uma pista concreta de vampiro. Ele estava ansioso quanto a sua primeira caçada de verdade.

  Quanto mais se aproximava, mais curioso Caver ficava quanto ao seu alvo, fazendo perguntas a si mesmo. Como aquela mente não era só dele, seus pensamentos puderam ser ouvidos por Sapphire, essa que estava sempre atenciosa quanto o amigo.

  - O sinal inconstante lhe atiça a curiosidade, meu caro? Creio que ela possa ser uma vampira que nunca provou sangue, como eu fui. - Disse ela na tentativa de acalmar o caçador. Apesar disso, a única coisa que conseguiu foi aumentar ainda mais sua ansiedade quanto àquele ser. O sinal era cada vez mais próximo, e Carver já estrategiava quanto a seu primeiro encontro com um vampiro. 


  Assim que chegou avistou sua origem, entretanto, parou a aproximação imediatamente. Aquele sinal vinha de uma simples e aparentemente inofensiva garota, que desenhava sem preocupações. Carver não soube o que fazer naquele momento.


  - Eu cuido disso. - Disse Sapphire, deixando o corpo do amigo e caminhando até Lia.


  Carver foi logo atrás dela, mas não interagiu com a garota (afinal, não tinha como). Apenas observou a certa distância enquanto Sapphire conversava com ela. 


  - Olá, minha cara - Se aproximou Sapphire, com um sorriso no rosto para que aliviasse a visão de uma poltergeist se aproximando daquela maneira. - Meu nome é Sapphire, e aquele ali atrás é meu companheiro Carver... Podemos ser bem estranhos, mas não estamos aqui pra lhe fazer mal algum. Você está sozinha?


[Off: Sapphire é uma poltergeist com quem Carver divide o corpo. Tá na minha ficha...]
avatar
Carver Waver
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Kaidan em Qua 15 Jul 2015 - 0:58

Nem Kaidan e nem Mori haviam presenciado um ambiente como aquele. Ambos, é claro, se sentiram completamente maravilhados com tal peculiaridade. Quando o youkai se deu conta, seu parceiro já se aventurava bem mais distante. 

  - Ei, Mori! Você não avisou que seria uma corrida! Isso não é justo! - Gritou ele, animado como sempre. Abriu o pequeno saco de suas tão queridas ervas e colocou uma na boca, mastigando-a para sentir seu gosto doce. Em seguida, subiu nos galhos das árvores com o auxílio de sua cauda e rapidamente se apressou para alcançar Mori.


  Eles mal viam para onde estavam indo, enquanto pulavam de um galho ao outro até o centro daquela floresta petrificada. Quando Kaidan se deu conta, quase que tarde demais, Mori parou, atiçado pela curiosidade novamente. O youkai pode mudar seu movimento ainda a tempo e parar em um galho ao lado do parceiro.


  Eles observaram a cena: uma bela moça sozinha, desenhando. Em breve, um misterioso homem acompanhado por um espírito (algo que nem Kaidan e muito menos Mori haviam visto antes), se aproximaria dela. O jovem misterioso estava armado, o que fez com que Kaidan se alertasse.


  Atento na situação e sem se revelar, Kaidan já colocava a mão no cabo de sua espada. Estaria aquele rapaz mal-intencionado? O youkai, sendo alguém que jamais recusaria um combate (por ser seu esporte favorito), com certeza entraria na briga apenas por diversão. Reparando nos movimentos de seu parceiro, Mori pulou em seu ombro e prendeu-se a sua roupa, pronto para acompanhá-lo caso tomasse uma atitude.
avatar
Kaidan
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Maven em Qua 15 Jul 2015 - 1:42

Ao ouvir ao longe o que parecia ser uma voz feminina, Maven abriu seus olhos e fitou a floresta a sua volta, buscando a origem do barulho. Como tudo era muito silencioso, seria fácil ouvir até mesmo o som de um alfinete caindo. Percebeu a presença de pessoas, algumas árvores depois.

  A bruxa se levantou, limpando suas vestes. Decidiu, então, ceder a sua curiosidade e dirigir-se até o local onde tais pessoas se encontravam. Cautelosamente para não chamar a atenção sem necessidade, ela se moveu por entre as árvores e arbustos petrificados até achar um local onde poderia olhar para todas aquelas pessoas sem que a percebessem.

  Alguns deles estavam armados, mas um não estava interagindo com o outro. A situação era curiosa, e tudo parecia girar em torno de uma garota sentada ao pé de um carvalho petrificado. A visão da bruxa era limitada pelas folhas e galhos em seu caminho, mas ainda assim era possível entender o que se passava. A única voz que se podia ser ouvida até então, entretanto, vinha de alguém que Maven não podia ver. Era uma voz feminina, e que não se mostrava hostil. Os outros dois rapazes, ambos alertas nas movimentações ali, não passavam a mesma segurança.
avatar
Maven
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Rubi Make em Qua 15 Jul 2015 - 11:40

Carver, o Meio Youkai Caçador de Vampiros Sinistro
Kaidan, o Youkai Gurila Guerreiro Brincalhão e seu inseparável Macaco chamado Mori
Mavem, a Bruxa Elementista Egocêntrica


@Carver


Apesar da sua forma física,o Caçador chega ao local um pouco ofegante, mas isso era explicado pela ânsia de seu primeiro encontro com um vampiro que poça ser fatal. 


Ao chegar no local, o jovem se depara com a jovem Lia, que estava ainda sentada, neste momento Sapphire toma conta da situação, ela sai do corpo de Carver e se aproxima de Lia para iniciar um contato.

Lia imediatamente ao escutar a voz da jovem da um pulo de susto, natural, não percebeu a aproximação, deixando com que seu caderno cai-se no chão, o mesmo continha um risco verde escuro do movimento involuntário da menina.


Ela olhou para cima com os olhos arregalados e arregalados eles ficaram, a visão de um Poltergeist não é nada agradável, ainda mais o mesmo sorrindo.

A jovem não conseguia pronunciar uma palavra se quer, tentava, mas nada saiu.

@Kaidan e Maven


O gurila apenas observava a situação sem intervir, mas estava preparado para algo, caso precisasse, assim como a bruxa que se aproximava do grupo tendo a visão de todos, e fora da mesma dos demais integrantes do novo grupo.

@TODOS

A jovem se encolhia na árvore, era a primeira vez que ela se deparava com tal criatura e como reflexo e nada mais natural que o medo tomasse conta da jovem, ela se encolhe cada vez mais, se pudesse ela atravessaria a árvore nesse momento.


OFF: Com exceção de Caven, os outros não ha necessidade de um post mais detalhado. Podem prosseguir. 
avatar
Rubi Make
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Carver Waver em Sab 25 Jul 2015 - 12:24

Carver se alarma com a reação da menina. Ela realmente não era uma vampira a julgar pela expressão que ela apresentava diante daquela situação. O fato de Lia estar assustada somado com o fraco sinal que despertou o alarme de Carver apenas confirmavam a teoria de Sapphire: A menina era uma recém-transformada. O que fazer em seguida então?
 
  - Fique calma. Nós não vamos machucar você. Estamos aqui para te ajudar. - Tentou novamente a poltergeist assim que percebeu o quão inquieto Carver e Lia estava. Ela tinha que se assegurar que seu parceiro não fizesse nada que se arrependesse depois.


  Carver incrementou a fala de Sapphire levantando suas mãos para mostrar que não iria atacar.
avatar
Carver Waver
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Floresta Imortal

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum