Arkhantos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Arkhantos

Mensagem por Arkhantos em Ter 24 Jan 2017 - 3:56

Nome do Personagem: Arkhantos, filho de Agamenon
Raça: Meio-Dragão (2 pontos)
Classe: Artesão
Nível do Personagem: 1
Idade Real/Idade Aparente: 76 Anos/26 Anos
Altura: 1,85m
Peso: 73 quilos

Características Físicas: Arkhantos, a despeito de sua ascendência draconiana, não conserva quase nenhum traço físico que o assemelhe a um dragão. Em verdade, quem olhar para o homem jamais suspeitaria da peculiaridade que ronda seu nascimento. É alto e de pele pálida, conservando alguns poucos músculos ao redor de seu corpo devido ao trabalho como ferreiro. Sua anatomia única, por ser filho de um dragão do fogo, lhe tornou tão resistente ao elemento de seu pai que a própria pele do homem tem dificuldade em assumir um tom mais escuro, o que explica a palidez ainda que trabalhasse por horas e horas fronte ao fogo quente. As únicas características que dão pistas sobre sua origem draconiana são os olhos amarelados e o cabelo vermelho vivo, como a chama.

Trata-se de um homem de porte simples e de feições fortes, marcantes. Usa roupas singelas, já que a maior parte do vestuário mais dispendioso seria inútil durante a maior parte do dia devido a seu trabalho.

Personalidade: Moldado pelo tempo e pela idade, Arkhantos é um indivíduo razoavelmente sábio, compassivo para com as pessoas certas. Tem uma força de vontade muito firme, dita ser inflexível, construída ao longo de uma vida de dificuldades e de superação. Tem uma personalidade fácil de se conviver, sendo agradável a maior parte do tempo, sempre disposto a ajudar quem precisa. É um homem muito difícil de se irritar, mas que contém uma fúria que arde e consome tal como a chama de seu pai, um dragão do fogo, prestes a ser desencadeada nas profundezas de seu ser, selada e contida por nada mais do que enorme determinação e desejo de proteger tudo o que é mais caro para ele. Inteligente, está sempre disposto a aprender coisas novas que lhe são pertinentes, especialmente se forem a respeito de sua profissão.

Em seu tempo livre, quando não está se aperfeiçoando, costuma desfrutar de um momento relaxante em uma boa taverna, onde pode se perder por horas e horas jogando conversa fora e bebericando uma caneca de bebida forte e que derrubaria facilmente um homem menos resistente.

História:
Spoiler:
- E irá me deixar agora, sozinha e sem ter para onde ir, apenas por conta de um capricho do que você chama de Destino? E seu filho que sequer nasceu? – disse a mulher, já aos prantos, enquanto tentava segurar o homem ruivo pelo pulso. Tentava, com toda a sua força, impedir sua partida, se agarrando a ele como se temesse que virasse pó a qualquer instante.

- Pois assim deve ser, minha bela Agamathea. Mas não chore, não por mim, nem pelo nosso filho, nem pelo futuro dele. Deixei em nossa casa um grande saco repleto de moedas de ouro, o bastante para que vocês dois possam viver por um longo tempo de forma confortável. – O ruivo tornou a se aproximar da mulher identificada como Agamathea, mesmo já tendo se afastado para partir. Ele se ajoelhou na frente dela, parecendo não se importar (ou não perceber) a força que ela exercia contra seu pulso. – Oh filho, filho meu... minha prole, abençoado seja por todos os deuses que estão acima. Temo que devo partir agora, mesmo sem nunca ter sequer visto o teu rosto, embora eu saiba como será seu futuro. Sei que será assim como sua mãe, de coração bom e forte, de inesgotável determinação.

O homem havia encostado o rosto contra o volume evidente na barriga da mulher, claramente grávida, depositando um casto beijo sobre o tecido envergado em um formato oval. Falava com seu filho pela última vez por muito tempo.

- Fatídico será nosso encontro no futuro Arkhantos, filho de Agamenon. E este será o dia em que você virá até mim, buscando a chama mais pura, pois só ela será capaz de moldar o mais puro e nobre de todos os metais. Assim eu vi, assim eu sei que será. Adeus, minha doce, linda Agamathea. Não nos veremos novamente, ainda que os momentos que passei contigo tenham sido os melhores de minha longa vida.

Sem um segundo dizer, Agamenon se soltou de sua mulher e mãe de seu único filho primogênito, desaparecendo em um farfalhar de asas invisíveis, tal como um feitiço. Ele nunca mais seria visto por sua esposa até o dia de sua morte.


Daquele dia em diante, Agamathea viveu em reclusão na casa de campo que outrora pertencia a ela e ao seu marido. A partida do dragão disfarçado em uma casca humana lhe fora dura, tendo vivido mais de cinco anos ao seu lado. Sendo, no entanto, uma mulher de incrível determinação, perseverou apesar de todas as dificuldades.

Tendo passado o pior momento de sua vida, o parto solitário e sem ajuda de qualquer pessoa que não fosse ela mesma, com seu parco conhecimento medicinal, a vida transcorreu como deveria. A grande soma de dinheiro deixada pelo dragão, provavelmente de seu próprio tesouro, era o bastante para que ela e seu filho tivessem uma vida confortável, ainda que não luxuosa, nas redondezas de um povoado pequeno e singelo.

E, ao longo dos anos, seu filho cresceu. Mais rápido do que qualquer outro ser humano deveria ser permitido desenvolver-se, Arkhantos assumiu o manto de um garoto inteligente e bem estudado, sendo capaz de aprender cada pequena coisa que sua mãe desejava lhe ensinar com uma facilidade que não era normal para uma criança. Absorvia cada pedaço de conhecimento como uma esponja, não tardando para demonstrar seu interesse incomum pelas artes da forja.
Foi aos dezesseis anos que se submeteu ao aprendizado sob as mãos capazes do ferreiro local. Serviu ao homem como seu contratado e aprendiz por longos dez anos, absorvendo cada pedaço de conhecimento referente a forjaria que poderia ser capaz de encontrar.

Assim como seu pai havia previsto, o hibrido acabou por ser um homem que muito tinha de sua mãe, sendo incrivelmente determinado e inflexível quanto aos seus objetivos, mas também de uma personalidade agradável. O destino que seu pai havia lhe dado, nunca partilhado com o garoto por sua amarga mãe, parecia aos poucos se cumprir, como as peças de um quebra-cabeça singular que criavam, aos poucos, seu próprio formato.

Em meados de julho do décimo solstício desde o início de seu aprendizado, Arkhantos aprendeu verdadeiramente o que era a morte com a partida de sua mãe para o reino além-véu. A mulher morreu sorrindo, nos braços de seu filho, não podendo deixar de pensar no quão irônico ele se parecia com seu pai ao encará-la com a dor da perda e da preocupação pelo bem-estar da pessoa que mais amava.

Após esse dia fatídico, o ruivo se despediu de seu mentor e partiu em peregrinação por muitos e muitos anos, percorrendo cada canto do mundo que lhe interessasse em uma busca para esquecer a dor de perder a única figura parental que jamais havia conhecido.

Ele passou cinquenta anos em autoexílio, aprimorando suas próprias habilidades como ferreiro e aprendendo mais sobre o mundo em que habitava. Aprendeu um pouco sobre como se defender contra o mal do mundo, ainda que não fosse um espadachim ou um mercenário, mas sabia o bastante sobre o combate para que conseguisse se virar. Sua resistência incomum também tendia a lhe ajudar muito.

Aos setenta e seis, se estabeleceu no Vale dos Ventos, usando uma parte das economias que lhe restavam para abrir uma forja na área comercial da cidade. Ali, vendeu seus serviços para qualquer um disposto a pagar um preço justo, sempre a melhorar suas próprias habilidades e capacidades.

E, mesmo com tudo isso, o ímpeto de se aventurar e sair pelo mundo, o desejo de explorar e saber mais, nunca deixou o seu coração.

Força: 2
Habilidade: 3
Velocidade: 2
Resistência: 0 (+1 Racial) = 1
Inteligência: 3
Balística: 0
HP: 10 (+5 Classe) = 15
SP: 30 (+5 Classe) = 35

Talentos:
- Mestre de produção
- Aprimorar manufatura

Perícias de Classe:
- Forja (2)
- Forja Arcana (1)

Perícias:
- Perícia com Arma: Martelo (3)

Vantagens Raciais:
- Resistência +1
- Resistência superior ao Fogo
Vantagens:
- Foco em Arma: Martelo - 1 Ponto
- Arma Especial (Esmagador, Dano físico superior [1]) - 1 Ponto
Desvantagens Raciais:
- Vulnerabilidade a Água
Desvantagens:
- Dependência (Bebida): -1 Ponto
- Alergia (Água Salgada) -1 Ponto

Estilo de Luta: Luta

Itens:
- 10 POs
- Esmagador [+2 de Dano Físico] (Arma Especial, 15POs)
- Kit Mágico de Forja (25 POs)

Magias:
- Nenhuma.

Resumo de Custos:

Raça: 2 pontos.
Classe: 0 pontos.
Talentos: 0 pontos.
Atributos: 10 pontos.
Vantagens: 2 pontos.
Desvantagens: +2 pontos.
Movimento estilo de Luta: 0 pontos.
Total de Pontos Utilizados: 14 pontos


Última edição por Arkhantos em Ter 24 Jan 2017 - 15:02, editado 5 vez(es)
avatar
Arkhantos
Novato
Novato


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Arkhantos

Mensagem por tabuleiromistico em Ter 24 Jan 2017 - 10:08

Está errado o cálculo de Sp. O cálculo de Sp é (Inteligência x 10) + Bônus da Classe.

É só isso que está errado. Ajeite isso e sua ficha será aprovada!
avatar
tabuleiromistico
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Arkhantos

Mensagem por Arkhantos em Ter 24 Jan 2017 - 11:55

Opa, perdão pelo vacilo. Fiz a ficha tarde da noite e não devia estar prestando atenção nesse detalha mais minucioso. Hahaha

Já arrumei.

Desculpa qualquer inconveniente.
avatar
Arkhantos
Novato
Novato


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Arkhantos

Mensagem por tabuleiromistico em Ter 24 Jan 2017 - 19:00

Ficha certa e aprovada. Bom jogo.
avatar
tabuleiromistico
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Arkhantos

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum