Zakarias "Zek" Kaennedys

Ir em baixo

Zakarias "Zek" Kaennedys

Mensagem por VitorCDB em Qua 4 Nov 2015 - 1:29

Nome do Personagem:

Zakarias “Zek” Kaennedys




Raça:

Elfo Da Floresta (3 pontos)



Classe:

Druída  



Nível do Personagem:

01



Idade Real/Idade Aparente:

112 Real/23 Aparente




Altura:

197CM


Peso:

92KG



Características Físicas:



Zek é alto, porém tem um peso um pouco grande para sua altura, mas os mesmo são providos à sua massa muscular, sendo aparentemente bem forte. 

Sua pele tem um tom moreno mediano, sendo a mesma um pouco áspera, o que o difere um pouco dos elfos,já que em sua maioria tem pele geralmente lisa e clara. 

Seus olhos são um profundo tom verde vívido, como se o verde do cume de uma árvore em primavera refletisse num lago cristalino, formando a cor de seus olhos.

Seus cabelos e barba seguem um padrão não muito comum de cor, iniciando-se na raiz como um castanho claro, e quanto mais se alonga, maior uma tonalidade de verde musgo vai surgindo, o que o torna ligeiramente exótico.

Suas orelhas pontiagudas (de natureza de sua espécie) tem como adornos alguns brincos dourados, sendo dois deles em sua orelha esquerda e um em sua direita.

E de seus longos fios de cabelos, uma pequena parte é usado preso em trança, que cai frente a orelha esquerda, sendo seu estilo único e usual, enquanto deixa maior parte de seus fios soltos e livres.


 




Personalidade:

Zek é um ser relativamente sério, que mantém boa postura e um semblante fixo boa parte do tempo, isso é, quando ele está em um ambiente, ou com pessoas desconhecidas e/ou que não compartilha muitos vínculos.

Já com pessoas ou em locais de maior costume ele é um pouco mais aberto e relaxado. Tenta ser engraçado e bem humorado de sua maneira, muitas vezes falhando, já que o humor dos elfos da floresta, por serem um povo reservado, raramente bate igual ao da maioria dos outros seres.

Mas acima de tudo Zek é devotado a natureza e seus pequenos habitantes, animais, plantas, fungos, tudo que compõe o cenário natural, ele é um protetor naturalista, um verdadeiro druida, apegado a terra acima de tudo.

Tenta ser sempre justo, não um herói, não um vilão, mas a justiça e igualdade. Mesmo que falhe nisso, como ninguém consegue ser 100% unilateral, sempre protegendo mais, mesmo que inconscientemente, aqueles que parecem mais indefesos.






História:




História:

Ah... Minha história começa há muitos anos atrás, o suficiente para que uma data exata esteja embaralhada em minha mente, junto de muitas outras datas também confusas. Mas mesmo que eu não recorde-me de um dia, lembro de como tudo aconteceu.

Eu ainda era um jovem Elfo aprendiz na época, residente de um clã pouco conhecido, sendo esse nosso objetivo, ser oculto ao mundo, sem os incômodos dos que viviam nas cidades. Vivíamos todos bem ao fundo da floresta de Alihanna, sendo um imenso clã mágico. Sim, nossa grande maioria trabalhava com magia, de todos os tipos, do druídismo à necromancia, de curandeiros e xamãs à elementistas. Porém todos compartilhávamos um ponto em comum; A essência de nosso clã sempre foram os instrumentos musicais, acompanhados de nossas melodias seculares, encantamentos, conjuramentos, rezas, todas feitas por meio de nossos instrumentos.

Mas nem tudo sempre foi fácil andava como o planejado. Era numa época obscura, nos aproximávamos do inverno, tornando assim os dias mais curtos, e a as noites mais longas. Não que não gostássemos da noite. Mas o que compartilhava a escuridão conosco era algo terrível.

Naquela lua cheia, faltando cerca de cinco dias para o oficial inverno, o chão tremeu, as criaturas correram, o medo tomou conta de meu povo, e o caos rapidamente se instalou. O dragão de chamas, uma criatura milenar, adormecida, havia acordado de sua hibernação, havia despertado, e faminto, não por comida, mas faminto por destruição e caos.

Meu povo, mesmo cheio de medo, não recuou, protegeriam até o fim suas terras sagradas, a terra de nosso povo. Então, quando a criatura chegou, eles mandaram as crianças e os anciões para fora, fugirem, enquanto todos nós que podíamos lutar, ou melhor, que podiam encantar, ficamos, homens, mulheres, jovens como eu.

A criatura chegou por terra, destruindo e queimando nossas bases, armazéns, destruindo a base de nossas árvores mais sagradas, enquanto estávamos na copa das árvores, à espera, com nossos instrumentos em mãos, prontos para selar e fazer aquela criatura dormir novamente.

Então nisso, quando o dragão estava ao centro de nossa formação, o grande chefe xamã iniciou, soprando sua flauta, nota por nota, melodia por melodia, e começou a ser acompanhado por todo o nosso resto.

Não demorou até que o dragão, percebendo-nos ali, derrubou uma das árvores, quebrando nossa formação. Mas persistimos nisso; Passando horas e horas, estávamos numa batalha incessante, íamos caindo um por um, sem piedade. Mas quanto mais se passava, mais a criatura parecia render-se lentamente. Porém já não éramos o suficiente para fazer tal adormecer com nossas melodias. Os magos sabiam que o sacrifício teria que ser maior do que isso. Teríamos de usar a verdadeira e pura magia, nosso maior aliado, a natureza.

E, eu, não sabendo se chamo isso de sorte ou azar, era apenas um aprendiz na época, minha magia era fraca, e não teria algum efeito se quer, sabendo disso, eles pediram para que eu apenas continuasse tocando.

E foi o que fiz, reunidos em volta da criatura, fechei meus olhos enquanto minhas mãos se moviam, forçando as cordas do violino, e em toda volta, os maiores magos. Pude sentir toda energia fluindo, magia, esmagadora surgindo, enquanto ouvia encantamentos e sussurros serem pronunciados, por cima dos rugidos do dragão.

Depois disso, nada mais me lembro, nada mais ouvi, nada mais senti... Só recordando-me quando, dois dias depois, acordei, em meio a cinzas e destroços do que um dia chamei de vila, casa. Olhei para o centro de tudo, onde vi o dragão pela última vez, e lá estava, um grande rochedo, um amontoado de pedras, presas e cobertas em vinhas e plantas, logo entendi. Aquilo era o sarcófago guardando a destruição viva. E olhando ao redor, vi cada um dos sarcófagos, de mesmo material que o grande, guardando cada um dos magos. Restará apenas eu, e mais ninguém, apenas o aprendiz, que não sacrificou sua magia para o pró de minha vila.

... Dias se passaram após isso, eu não podia continuar naquele túmulo de cinzas, sai, vagando, em busca do meu povo que havia escapado, as crianças, os anciões, qualquer um. Mas parecia que quanto mais eu caminhava, mais longe disso tudo eu estava.

Explorei cada canto da floresta, tudo que eu conhecia, tudo. Falhando em cada tentativa que eu fazia, eu sabia já que era hora de deixar minha limitações, eu devia desventurar mundo à fora. E, ah mãe, me desculpe por esse erro, arrependi-me disso no momento que adentrei a primeira cidade. Imundos, porcos, seres verdadeiramente irracionais. Destruindo em pró do lazer e conforto, matando por esporte e diversão, rindo e se divertindo com o sofrimento de vossa natureza e animais.

Anos se passaram, eu passei a viver entre a divisa da floresta e das cidades, sendo conhecido por muitos como o “Ladrão Soturno”. Um erro, já que os verdadeiros ladrões eram esses seres imundos, roubando os animais de seus lares, de suas florestas, para os vender. Não se alimentavam, os prendiam, os engaiolavam, os usavam as peles para seus luxos carnais. Verdadeiros monstros. Eu apenas tirava os animais de suas garras imundas, e os devolvia a seus lares, os libertava do alcance desses seres.

até que poucos anos atrás, enquanto eu estava em uma taverna, ouvi um dos boatos mais perturbadores, os sussurros diziam que um ser de aparência angelical, tão reluzente como o ouro havia sido capturado, e seria levado pelos Orcs e Minotauros, explorado até não sobrar mais, e no fim, vendido por um preço absurdo, para provavelmente mais um imundo.

Eu não podia permitir com que isso ocorresse, eu não podia deixar com que ferissem tal criatura, não mais.

Segui os sussurros que ouvi, fui atrás do local onde eles diziam, e encontrei, lá, um forte, esculpido dentro de uma caverna, segurança máxima, seres imundos, traficantes de espécimes raros. “Ele” tinha que estar lá, o griffo dourado.

Adentrei aquele lugar, lutei contra todos. Derrubando um por um, destruindo um por um, a fúria me dominava.

Foi aí que após luta e luta cheguei no fundo dessa caverna, avistando, dentro de uma jaula, acorrentado ao chão, a criatura mais bela que já vi em todos meus anos de existência. Suas asas, grandes, poderosas, imponentes, seus olhos, que olharam para mim, fraquejando, expelindo uma luz exuberante, sua cauda e orelha dourados, sua aparência perfeita, esculpido pelos deuses, banhado no rio de ouro que corre nas profundezas da terra, abençoado pelos seres que vivem mais alto no mundo, então eu libertei ele, libertei o Griffo conhecido como Blake.

Libertei ele, o griffo que veio a se tornar meu melhor amigo, meu companheiro para toda hora, meu protegido. Pois eu sabia que eu simplesmente não podia libertá-lo e depois ir, ele seria caçado e caçado, cada vez mais cobiçado, então jurei a mim mesmo, assim como os piratas juram entre si, eu o protegeria até o fim.

mas ele buscava algo maior, ele queria seu mestre, ir atrás de quem as vezes ele chamava de pai. E eu com muito bom grado o acompanhei, por anos, o vendo crescer, se tornar uma criatura majestosa, me superando, e muito. Ele podia já se cuidar melhor do que eu mesmo cuidaria dele. Mas sinto que isso não é mais algo possível, simplesmente não posso mais deixá-lo. Sinto como se ele fosse parte vital de mim, e também percebo que ele sente o mesmo, me tendo como parte vital dele.

Foi nesse momento então que percebi, a magia de seu corpo, a magia de seu ser havia nos unido, havia nos transformado em dependentes um do outro. Nesse momento senti um vínculo formado entre nós, era pura magia, ligando nossas vidas, a mais pura e divina magia.








ATRIBUTOS:

Força:2           
Habilidade:1    (+1)
Velocidade:1    
Resistência:3   
Inteligência:2   
Balística:0      

HP: 3 x 10 + 4 = 34 
SP: 2 x 10 + 6 = 26 





Talentos:
Melodia - Permite que, além saber tocar um instrumento divinamente o usuário também saiba encantar suas canções com mágica. - 5 SP / Todos os aliados recuperam 3 (+pericia com artes) SP por turno.

Convocar animal - Usando esse talento, o jogador pode evocar um animal que o ajudará em batalha ou para realizar uma tarefa. O jogador não cria e sim chama algum das redondezas, se o lugar não tiver animais, nada aparecerá. O tipo de animal e seus tributos é escolhido pelo GM mas quanto mais SP gasto, mais poderoso será o animal. Importante lembrar  que esse talento evoca animais e animálias, não funciona com seres exóticos tipo abortos, mononokes ou dragões. - 3 SP por turno, sendo que aumentando o custo em +3 SP o tipo de animal que aparecerá e o raio de alcance do chamado será maior.

(Comprada) Criar Elemento - O jogador pode criar uma pequena porção de um dos 4 elementos basicos 

(água,fogo,terra,vento). A porção é pequena demais para causar dano mais

ainda assim pode servir para outros meios como criar fogo para iluminar

o caminho,criar água para beber ou vento para apagar uma tocha fora de 

alcance,etc. - 1 SP por turno.




Pericias de classe:

Botânica Nv. 01 , 

Veterinária Nv. 01 

Herbologia Nv. 01

Perícias: 

[Distribua 3 pontos gratuitamente nas pericias.]

Instrumento Musical – Violino Nv. 01

Domesticação Nv. 01

Pericia com Arma Nv. 01 (Espadas de uma mão)

Vantagens Raciais:

Habilidade +1

Sobrevivência: Florestas

Faro Aguçado.

Vantagens:

ARTE (1 Ponto) - Você é um músico, pintor, desenhista, cantor, ator, ou ilusionista muito bom.  Ganha 2 em testes de manipulação e talentos artísticos.

AMBIDESTRIA (2 PONTOS)  Um personagem com essa habilidade pode manusear duas armas ao mesmo tempo. Ao atacar duas vezes, cada golpe é calculado separadamente, portanto SOB CONSENTIMENTO DO GM talentos, estilos de luta entre outros recursos de cunho PASSIVOS podem ser aplicados nos dois golpes.




Desvantagens Raciais: 

-Nenhuma-




Desvantagens:

• Vínculo [-2 pontos] (Vínculo como o personagem Blake)

• Terreno Desfavorável [-1 ponto]  (Lugares totalmente fechados feitos em materiais não naturais (prisões, celas, etc.)

CÓDIGO DE HONRA [-1 ponto cada] - Código dos Piratas: Nunca trapacear na divisão dos tesouros,ais descumprir um contrato com seu empregador. Em caso de um companheiro estiver em apuros e pedir ajuda, priorizar ajudá-lo acima de tudo mais. 




Estilo de luta: 

Kendo

A arte dos samurais, passadas de geração em geração em dojos. todos os praticantes dessa artes são muito honrados, sofrendo ocasionalmente do código de honra do combate e da derrota

(Kendo é um estilo de luta baseado na pericia com espadas).




Movimentos do estilo de luta:

---



Itens: 

42 PO (8 em magias)

Espada Forjada Antiga [INTERPRETATIVA]

Espada antiga, trazida junto consigo das poucas coisas que restaram intactas em sua casa após a queima de seu vilarejo. A mesma pertenceu ao seu pai, então vê grande honra em carrega-lá. (Mesma da foto)



Magias:


Adagas de Gaia

Classe que aprende: Todas /Elemento: Terra

Descrição:Comanda raízes mágicas a sairem do chão e atacarem os inimigos. O mago pode escolher quantas raizes vão atacar cada inimigo(no máximo 5) e cada uma conta como um ataque separado perfurante.

Efeito:Ataca com espinhos de planta

Dano: 3 + Ataque mágico

Custo:9 SP por raiz criada

Duração: Instantânea

Valor da dificuldade: 4

Raridade: Comum

A Arma Mágica de Juen

Classe que aprende: Todas /Elemento: Neutro

Descrição: Concentrando energia mística na arma o conjurador permite criar uma aura de poder que aumenta o dano. Muitos usam para deixar um visual estiloso, visto que a aura de energia azul se parece muito com neon. Tem um limite de acumulação de 10 usos(30 SP).

Efeito: Aumenta 1 ponto de dano para cada 3 SP gastos

Custo: 3 SP para cada ponto de dano para conjurar, um terço do custo total arredondado para baixo para manter.(minimo 1)

Duração: Sustentável

Valor da dificuldade: 4



Raridade:Comum 




Resumo de Custos: Aqui você resume o quanto e onde gastou seus pontos.

Raça: -3 
Classe: 0
Talentos: -1
Atributos: -9
Vantagens: -1
Desvantagens: +4
Movimento estilo de Luta: 0
Total de Pontos Utilizados: 14


Última edição por VitorCDB em Sab 7 Nov 2015 - 12:41, editado 3 vez(es)
avatar
VitorCDB
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zakarias "Zek" Kaennedys

Mensagem por Cre♥pie em Dom 8 Nov 2015 - 21:53

Tudo ok, sua ficha não tinha muitos erros e por favor não peça desculpas por isso, todos erramos é normal.
Ficha tá aprovada, e você ganhou 40 XP pela ficha. Divirta-se!
avatar
Cre♥pie
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum