Ruas de Kannin

Página 6 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Flaga em Qui 23 Ago 2012 - 23:38

Seguindo o caminho que ela mesma indicara, logo chegaram Marianne e Baal à pequena vila de Kannin. Sentia o ar pesado com a opressão e a tristeza de muitos, e achou aquele lugar até suportável: faltava um pouco de conforto e grandes bibliotecas, mas podiam dar logo um jeito nisso.

Mal caminhavam pelas ruelas e logo na entrada via uma comoção: um rapaz ao chão tentava enfrentar três guardas armados. Que rapaz idiota, pensou, metendo-se em lutas que não seria capaz de resolver por si só. Acenou para que Baal se aproximasse e ficasse quieto ao seu lado, enquanto assistia o espetáculo. Talvez poderia se alimentar com facilidade aquela noite, tendo quatro oponentes enfraquecidos; talvez nem precisasse invocar criatura alguma.

Mas algo a fez parar em meio às maquinações, e este algo era a presença de algo superior, extremamente maligno. Aquele rapaz prostrado ao chão não era apenas um rapaz qualquer. Alguma coisa emanava de seus poros, anunciando sua malignidade de forma gritante. Sentiu interiormente alguma espécie de respeito, e em sua mente o resultado daquela batalha parecia mudar. Não mais apostaria nos guardas.


"Sentiu isto também?" perguntou a Baal por sua mente, "Essa malignidade? Talvez o rapaz nos seja útil, afinal. Espere um pouco, vejamos o que pode fazer."

Podia notar também que o rapaz possuía um belo físico, acompanhado de uma grande estatura e um par de chifres. Refletiu profundamente sobre esta simbologia enquanto assistia de camarote o embate.

__________________________________
The Wrath of The Lich Queen!


They'll kill for me, steal back my freedom,
Set me free, it's my minions vs. thee.
avatar
Flaga
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Baal em Ter 4 Set 2012 - 23:08

Ainda achava ruim que não podia simplesmente cavalgar seu cavalo, mas o bom senso o convenceu de que era muito melhor andar a pé, ao lado de Marianne. Não é como se ela fosse uma poderosa amazona que impusesse respeito, mas à sua maneira, aprendi que ouvir um conselho dela valia bastante a pena. Não que eu fosse dar o braço a torcer. Claro. Mas alguém ali tinha que fazer a parceria funcionar. Assim pensava eu.

Andar por ali não era realmente muito problema para mim, era grande, forte e com cara de raiva. Ou seja, me camuflava perfeitamente entre o povo de kanin. Eu já estava pensando em me alimentar, estava morrendo de fome.

Ela não precisava de comida mas eu ainda era mortal. Não me preocupei com a confusão adiante. O único interesse que tive era de entrar na briga só pelo prazer de trocar uns tabefes com alguém, mas a presença do individuo era notável. Me perguntei como uma aura tão poderosa poderia estar apanhando de 3 soldados, Marriane exibia bem menos poderes e destroçaria todos eles com alguma criatura do inferno qualquer. Ponderei se ele não estava escondendo o jogo.


"Sentiu isto também ? Essa malignidade? Talvez o rapaz nos seja útil, afinal. Espere um pouco, vejamos o que pode fazer."

"Está sempre querendo usar todo mundo."

Respondi, de imediato. O problema de se conversar por telepatia era que não havia como pensar no que dizer, simplesmente saia. Marriane deveria adorar, de certo modo ela me obrigava a ser sincero. E aposto que ela estava lendo essas mesmas conclusões.

Permaneci parado, perto dela, se pudesse iria me escorar na parede mais próxima.
avatar
Baal
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Venta em Sex 7 Set 2012 - 14:33

Caído no chão, humilhado por meros humanos, sentia um filete de sangue a escorrer por sua face, mas o maior dos ferimentos era em seu orgulho. Pagaria com suas vidas, e faria questão de cutucá-los nos infernos ele mesmo quando tomasse de seu pai a coroa. Quis rolar lateralmente para erguer-se, mas enrolar as correntes de sua arma naquele momento não era a melhor das idéias, então tratou de levantar-se jogando seu peso para trás, utilizando as correntes como apoio, energizando-as.

Caso a soltassem, seria um leve desequilíbrio para o jovem, e bastaria manuseá-las novamente, mas caso a mantivessem segura para inutilizar sua capacidade de combate, teriam uma surpresa não muito agradável logo logo.

A agitação e a batalha o fizeram momentaneamente incapaz de perceber que possuía uma platéia.
avatar
Venta
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por GM Jure em Dom 23 Set 2012 - 6:50

@Ashk

O quão fundo vão sentimentos? E o que exatamente os define além de frios hormônios e sinapses? O quão humano é sentir, e o quão superior alguém é por se permitir a isso?

Nada disso importa quando o sangue está fervendo, e o de Ashk deve estar em ebulição...Mas pensando bem, importa sim, uma vez que sentimentos o fizeram "esquentar a cabeça". Doce ironia como o mais odioso dos Ashtaares é tão normal quanto qualquer criança birrenta. Seu ego não contém suas emoções. Seu ego é, por vezes, maior do que qualquer utra coisa.

Na tentativa enfurecida de ensinar uma lição aos "meros humanos" Ashk se expõe, muito mais do que devia. E o revés lhe sorri com escárnio, lhe dizendo zombeteiramente "hoje não queridinho!"

A princípio, jogar seu peso para trás até foi uma ideia bem inteligente...ainda mais carregar as correntes com energia...genial! Caso houvesse apenas os dois soldados que lhe seguram os braços.

Ao ver o peito aberto do ashtaar, o sargento (afinal, chamá-lo apenas de um soldado experiente é muito pouco...o cara é perspicaz) corta a distância entre a lâmina de sua lança e e seu corpo. Sem defesa. Sem misericórdia.

A lança afunda na carne demoníaca atingindo seu coração negro. E isso dói..como dói...Dói a ponto de fazer Ashk perder completamente a concentração de sua energização.

Assim que a lança é retirada de seu peito, um esguicho espesso de sangue salta do ferimento.

-- Amarra! -- Ordena o sargento. Imediatamente, os dois soldados obedecem, e envolvem Ashk em suas próprias correntes. Os espinhos o machucam, mas não mais do que o buraco em seu peito, ou seu ego dilacerado.

Mantendo a mesma distância defensiva, o sargento dispara sua pergunta para Ashk. -- Pretende continuar a resistir e morrer, seu sarnento? -- A Lança ainda aponta para seu peito, os soldados o seguram mais de perto. -- Não sei o que te deu na cabeça pra se joga pra trás daquele jeito, mas foi uma ideia muito BURRA! hehe --Seu tom deixa o escárnio para a ameaça. --Você nos subestimou, seu cramulhãozinho...não somos guardinhas de feira livre...somos soldados numa guerra sem fim! --


OFF: Espetada no peito...hemorragia grave...2 turnos para reforços chegarem, perdeu mais 28hp (25 do golpe crítico de lança, 3 da hemorragia grave)

@Marianne & Baal

Suas presenças são, aparentemente, ignoradas. Não é nenhum tipo de petulância ou descuido...apenas o calor do momento. É óbvio que suas almas sulfurosas podem ser sentidas de longe...mas considerando a natureza da criatura que leva a surra, é perfeitamente compreensível que suas escuridões pessoais não sejam notadas.

E como apanha a criatura. Já não bastasse ter ido ao chão uma vez, fora empalado mortalmente e novamente levado a "beijar a terra". Valeria mesmo a pena ter alguém tão incapaz de lidar com humanos triviais ao seu lado?

Afinal, ser mau é fácil...ser útil, é outra história...E além disso, pra que trocar a "certeza" de sua dupla, pela dúvida de um trio?

Mais um ego para entrar em conflito com seus próprios interesses não é exatamente uma vantagem. Vocês estão em Kannin agora, onde a guerra nunca cessa de verdade. E como toda paixão irascível e cega que habita os corações daqueles que sentem (e quanto mais "baixo", mais se sente), na guerra as traições são mais intensas e seus preços, mais altos.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Flaga em Dom 30 Set 2012 - 14:39

Aaahahahahahaha! Que piada! riu-se a lich conforme via a criatura caída em seus pés, derrotada. De princípio, ao sentir tamanha malignidade, pensou até ser uma criatura antiga, poderosa. Mas agora questionava-se se não teria compreendido sua emanação erroneamente.

Ao fitá-lo mais intensamente, notou os chifres em sua cabeça, concluindo que sua aura vinha de uma natureza demoníaca que possuísse. Já lera sobre isto, em algum momento do longo passado. Algo sobre um bom doutor que fizera uma troca com um demônio: sua alma por poder. Imaginou se este estaria apto a aceitar dela uma proposta um tanto menos... prejudicial a ela.

Sorriu de canto, deliciando-se com seu raciocínio: se fosse capaz de enganar até mesmo demônios, pouco haveria neste mundo que a pudesse tapear. Via os soldados movendo-se para prender o rapaz, e puxou em meio a seus trajes uma Poção Mágica das que possuía, preparando-se para a batalha.

Ergueu sua mão direita como uma lâmina, e bradiu-a horizontalmente, certificando-se que já estava à frente de Baal ao fazê-lo. Armara-o demais para tê-lo sentindo-se traído. O gesto da garota, apesar de aparentemente inefetivo, criou uma lâmina horizontal de ar finíssima, centrada numa ofensiva contra o homem que apontava a lança contra o demônio, mas esperando poder acertar também seus companheiros de armas. Poderiam preocupar-se com reforços depois.


"Baal, que tal mandarmos uns soldados pro inferno essa noite? Deixe o demônio vivo, iremos usá-lo quer ele queira ou não.



off: 1 poção mágica gasta (level d6 + int de sp recuperados)
princípios da magia: ar, com +2 em eologia

__________________________________
The Wrath of The Lich Queen!


They'll kill for me, steal back my freedom,
Set me free, it's my minions vs. thee.
avatar
Flaga
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Baal em Dom 30 Set 2012 - 14:50

Nem esperei flaga terminar a frase. Quando vi a ofensiva magica dela ja entendi que deveria bater em alguém, adorei aquilo. Enquanto corria na direção dos homens me transformei em minha forma demoníaca, um ossada em chamas. Não que isso mudasse muita coisa além do fato de parecer um monstro e dar uns sustos.

Esperei que a ofensiva dela fosse efetiva sendo assim, imaginei que haveriam poucos ou nenhum em pé. Nesse momento eu só fui na direção do mais próximo que estivesse em pé ou simplesmente mais próximo e aproveitei o ataque surpresa para saltar e dar uma voadora. Doa a quem doer. Não esperava de fato salvar alguém, só bateria em qualquer um que reagisse.

Chutei algum guarda desprevinido.
avatar
Baal
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Venta em Dom 30 Set 2012 - 15:07

Preso, derrubado ao chão, ferido e humilhado. Ahsk não sentia-se desta forma a muitos e muitos séculos, e o surgimento de tais sentimentos que a anos não se tinham notícias o faziam odiar cada pequeno pedaço desta terra imunda. Eles iriam ver, sentiriam sua punição. Os mataria todos, e quando enfim reinasse sobre o trono de seu pai, castigaria-os pela eternidade.

Debatia-se ferozmente contra suas próprias correntes, machucando-o mais e mais a cada segundo, sentindo sua pele rasgar. Mas nada havia que pudesse fazer além disso, até que o guarda ameaçara finalizá-lo se não rendesse. E se renderia, engolindo o orgulho para puní-lo depois, quando subitamente uma outra batalha começava. Ficou estático no chão, tentando observar os eventos que transpassavam por sobre sua cabeça.

A dor no peito lhe era enorme, e era difícil mexer sem agravar sua hemorragia, que por conseqüência fazia-o sentir-se tonto. Tentando com rapidez se salvar, utilizou as mãos coladas ao corpo para remendar seu corpo físico: uma técnica que aprendera alguns anos atrás para recuperar corpos mortais. E então observava silenciosamente, aguardando a próxima oportunidade para novamente se recuperar.

OFF:
Toque abençoado, 10 de int :3

OFF2: Dat feel when toda a sedução do mundo não convence ninguém a nada, e 15m de corrente não são o suficiente pra manter uma distância. ahahaha

OFF3: Jure, eu upei de level e pus mais dois pontos de resistência por causa do evento dos veteranos. Ganhei 20 de HP. Já atualizei meu perfil. Considere da forma que quiser, isto é apenas um aviso pra evitar confusão com as informações.
avatar
Venta
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Keiko Akita em Sex 26 Out 2012 - 0:58

@ Baal, Marianne e Venta.


Marianne e Baal ainda não havia sido detectados pelos guardas, o que era algo bom, dava-lhes a vantagem de um ataque surpresa, Marianne preparou sua investida ao mesmo tempo em que Baal começou sua corrida em direção a um dos guardas, Marianne então lançou sua "lamina" de ar, que passou em altíssima velocidade ao lado de Baal, chegando primeiro que este aos soldados, dois deles foram pegos, o que parecia ser o capitão, que apontava a lança para Askh e o que estava à sua direita, a lamina passou entre dois, causando um corte em seus flancos bem doloroso e destrutivo, derrubando os dois no chão imediatamente que se contorciam em dor.

Askh agora notava que as correntes que o prendiam afrouxaram do lado onde o soldado havia caído enquanto executava sua habilidade curativa para tentar estancar um pouco do sangramento. Baal chegou no momento certo de pegar o ultimo soldado restante, o que estava a esquerda, este segurava a corrente que prendia Askh em uma das mãos, ainda surpreso devido a rapidez dos acontecimentos, não teve tempo de reagir e simplesmente levou aquela voadora no peito caindo alguns metros pra trás de costas e bastante atordoado.



Eai galerinha, serei a narradora de vcs a partir de agora. o/
Vamos aos status:

Marianne recuperou 52SP com a poçao, -3 SP pelo uso do talento.
Deu HS em 2 soldados com um critico lindo. o.o

Baal deu 17 de dano, mas o cara defendeu uma boa parte, ele só tah meio atordoado no chão mas ainda vivo.

Askh recuperou 15HP -1 pela hemorragia que diminuiu bastante, mas continua la.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por GM Jure em Sab 3 Nov 2012 - 21:32

OFF: Como dito por PM, vou desconsiderar as ações da Keiko, porém o resultados da poção, do toque abençoado, e do ataque de Baal serão levados em conta.


@ Ashk

E bendito seja o reles humano que lhe lhe ensinou, ainda que por acaso, sua técnica de cura. Seu toque lhe traz grande conforto, uma sensação um tanto esquisita para alguém que vem de onde vem.

Seu sossego é pouco, pois logo uma enorme força o derruba com bastante energia...não o suficiente para piorar suas dores, apenas nutri-las mais um pouco.

Ao chegar no chão, seu corpo para após rolar três vezes. Ainda está próximo dos demais, ainda está acorrentado, mas pelo menos não é mais o centro das atenções nem o estão apertando.

OFF: Recuperou 15 hp, -3 hp pela hemorragia que persiste, -1 da voadora e -2 por rolar enrolado (rolar enrolado, que péssima construção de frase) nos espinhos das suas correntes...total deu +9hp (49/76)
-3 sp por usar toque abençoado (101/104)

@ Baal

Seu chute atinge como um trem um dos soldados que prendem o "pequeno ser das trevas" com o qual Marianne havia se afeiçoado...até onde ela é capaz de se afeiçoar por algo, é claro.

Sua investida desmedida no entanto faz com que todos (Baal, Ashk e soldados) caiam. O acorrentado rola um pouco para trás, um dos soldados para o outro lado e o soldado que você acertou está...embaixo de você. Sua armadura está amassada pelo impacto.

@ Marianne

Marianne tem todo o tempo do mundo para desfrutar de sua poção de mana. Uma dose e logo sente seu poder fluindo novamente em seus mórbidos canais de energia. Sua posição privilegiada lhe permite observar a enorme confusão que se instala.

Baal joga a maioria no chão com uma poderosa voadora...mas ainda há um de pé. Ele é o mesmo soldado que empalou o acorrentado e visivelmente é mais experiente que os outros. Seus olhos se cruzam.

OFF: apenas uma ação por turno, savy? recuperou 52 sp...o que, imagino, tenha completado sua mana, logo: 100/100


@ Todos

O soldado experiente olha com espanto a investida de Baal. Ele rumina pragas enquanto seus olhos se voltam para Marianne. O frasco com líquido azul logo chama sua atenção. Ele toma um passo para trás e recoloca o apito em sua boca, dessa vez com um silvo ainda mais agudo que o anterior.

Ao ouvir o apito, um dos soldados que prendiam Ashk (mais especificamente o que não está embaixo de Baal) treme ao ouvir o barulho do apito enquanto se levanta.

O outro apenas tenta entender o que diabos (literalmente) aconteceu.

Uma ladainha não muito distante pode ser ouvida.

OFF: Reforços chegam em 1 turno e o soldado "velho" deu um segundo alerta

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Flaga em Dom 23 Dez 2012 - 21:39

Sua lâmina de vento cortara o ar por onde passava, e com ela levou parte do corpo de dois dos soldados, que foram abertos como uma lata de sardinha e agora sentiam a vida abandoná-los. Olhou de relance para Baal e viu que ainda lutava com um pobre inimigo que em breve seria mingau. Não deu-lhes mais atenção, já que o rapaz saberia cuidar-se sozinho dali em diante. Sua atenção estava agora na força que havia obtido.

Foi até o corpo do demônio que tentava se libertar, fixando em seu olhar o horizonte além para que não entregue a ele suas intenções. Uma história antiga passava pela cabeça da garota. Ao aproximar o suficiente, pressionava seu pé sobre o peito da criatura maligna, apontando dois dedos unidos de uma mão contra ele, em gesto de ameaça.


"Demônio, faça um contrato comigo." - sua voz ecoou na cabeça do Ashtaar - "Li que sua raça faz trocas ao custo de uma alma, é verdade? Porque não fechamos um? Só que ao invés de valer a minha alma, o contrato vale a sua: sele comigo agora e você pode viver. Negue e voltará para casa mais cedo."

E ficara ali, a degustar todas as reviravoltas da emoção do Ashtaar. Via sua face passar do pálido medo ao rubro da ira e então ao verde do mal-estar e o azul do pânico. Se respondesse negativamente, utilizaria outra lâmina de vento para decapitá-lo ali mesmo. Mas se aceitasse, ouviria a seguinte resposta

"Ótimo. Então você me dará o usual: poder. Físico, mágico e político. Me faça rainha destas terras e maga insuperável e você terá pago sua dívida. Poderá até permanecer meu conselheiro. Agora levante-se antes que os outros cheguem.

OFF: ja ta tudo combinado com o Venta as ações e tal mas eu achei melhor por a ação no caso de recusa porque, né, quem sabe. XD

__________________________________
The Wrath of The Lich Queen!


They'll kill for me, steal back my freedom,
Set me free, it's my minions vs. thee.
avatar
Flaga
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Baal em Dom 23 Dez 2012 - 22:19

Quase tomei um susto quando vi uma rajada de vento passar perto de mim e atingir os inimigos ali na frente. Sabia que era obra da lich mas eu não conhecia a extensão de seus poderes. Ela não era nada humilde e logo de cara já cometeu duplo homicídio. Gostei da maneira como ela trabalhava as coisas.

Corri direto para um pobre coitado desavisado, eu vi nele a velha expressão embasbacada de quem vê uma boiada enlouquecida vindo em sua direção, nesse caso era eu, prestes a atropelá-lo. Assim que tive distancia eu saltei e o chutei com toda força que tinha e só não cai porque atingi meu alvo, caso contrario teria me desequilibrado com a potencia com que a minha própria perna cortou o ar. Cai triunfante e contemplei por um momento o estrago que marianne fez. Nada discreto.

Dei uma olhada ao redor, calculando o tamanho da confusão na qual me meti. Senti o fogo crepitar e percebi que o fogo era eu mesmo. Um chute bem dado não me satisfez, precisava de um pouco mais de violência gratuita. Segui até o guarda que acertei e o segurei pela cabeça. Batendo a mesma contra o chão, repetidas vezes se pudesse. Até que ele estivesse devidamente ''domado''.
avatar
Baal
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Venta em Dom 23 Dez 2012 - 22:48

O Ashtaar pudera sentir suas correntes afrouxando e apressava-se a desatá-las, assustado com a rapidez com que os eventos se davam naquelas ruas. Uma criatura medonhamente poderosa fora capaz de derrubar dois dos soldados que o derrubaram tão facilmente. Por um segundo sentiu o medo, sentimento raro para demônios de tão alta estirpe, aprofundar-se no estômago. Fitou-a conforme andava com olhos fixos na batalha e ficou paralisado, tomado de surpresa por um pé que vinha de supetão a subjugar-lhe o peito.

Um contrato? É o que ela queria? Já fizera vários em sua existência e não seria nada incomum, apenas difícil dar para aquela mulher o que ela não pudesse pegar sozinha.

Mas a reviravolta viera com os termos do acordo e a ameaça que recebera. Sentia-se infuriado, mas acima de tudo humilhado. Quis chutá-la, devorá-la e enfiar sua cabeça em um espeto no topo da cidade mais alta. Que ousadia! Que insolência! Uma proposta tão absurda a um príncipe infernal, ninguém menos que o filho de Gaap!

Só que, pensando bem, ela já havia destruído dois soldados com o mero apontar de seus dedos, dedos que agora estendiam-se contra sua garganta. É, suas opções eram nulas e ele devia àquela mulher sua gratidão, por mais insolente que fosse. Aceitaria. Mas faria-a pagar aos poucos por sua ousadia.

-Tudo bem. - pronunciou em sua voz profunda, capaz de fazer reverberarem os sentimentos humanos - Eu aceito seu contrato. Meu nome é Ahsk, filho de Gaap, príncipe infernal. Qual a graça de minha bela contratante?

Disse e estendeu-lhe a mão, para selar o pacto. Pondo-se de pé, utilizou-se novamente de seu poder de cura enquanto afastava-se da cena do combate, logo após observá-la atentamente. Aquele sinal do guarda era problema, e provavelmente em breve teria um batalhão inteiro em cima deles.



OFF: Such cruelty! You calmly make deals with devils.You've a truly cunning soul.


Última edição por Venta em Seg 24 Dez 2012 - 3:44, editado 1 vez(es)
avatar
Venta
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Lyria em Dom 23 Dez 2012 - 23:53

Apesar de ainda nao estar muito segura para andar sozinha por aquela cidade desconhecida, fica ali nao me ajudaria a solucionar nem metade de meus problemas, eu precisava recomeçar minha vida naquela nova terra, esquecer o passado que insistia em me assombrar e seguir em frente, pensar no passado nao o traria de volta, só me traria mais magoa e pesar pelas perdas sofridas.

Estava voltando de uma manhã de caçada, infelizmente desde que viera parar neste lugar não havia tido sorte em nenhuma de suas caçadas anteriores, sempre que entrava na mata atras de uma presa que pudesse abater sorrateiramente com seu arco, me elmbrava da terrivel visão que tivera, e de como aquele pesadelo havia se tornado realidade, o que me fazia perder completamente o foco quase sempre e posteriormente o meu alvo.

Enquanto andava notei uma movimentaçao estranha proxima da entrada da vila, me esgueirei por trás de uma mureta proxima para ver do que se tratava e percebi que haviam pessoas ali e... Um ser em chamas! Haviam tres homens ali, dois deles seguravam correntes com espinhos que prendiam uma pessoa ajoelhada no chao, o terceiro estava de frente para o prisioneiro e parecia interroga-lo, mas o que mais me assustou foi sua atitude seguinte, ao transpassar o corpo do prisioneiro com sua lança.

"Que horror! Tenho que fazer algo, não posso deixa-lo morrer de uma forma tão bruta."

Sorrateiramente puxei meu arco das costas e junto uma flecha e me preparei para atirar, meu alvo inicialmente era o homem com a lança, os outros dois que seguravam as correntes seriam os proximos, ams antes que eu pudesse completar o movimento, algo inesperado aconteceu, uma lamina quase invisivel passou entre o homem que segurava a lança e aquele que estava a direita, segurado uma das pontas da corrente, no mesmo instante um jorro de sangue e os dois cairam no chão dando seus ultimos suspiros ali mesmo, fora tão rapido que mal notei a chegada dos outros dois.

Um deles parecia ser um homem comum, até o momento em que o mesmo começou a entrar em combustao instantanea, e mesmo em chamas ele continuou derrubando o terceiro guarda com uma voadora, a ultimaa chegar fora uma mulher, era muito bonita e tinha um ar diferente, uma sensaçao estranha emanava daqueles seres que estavam ali, algo que me incomodava um pouco, mas meu senso de justiça falou um pouco mais alto, se aqueles que chegavam tinham vindo para ajudar entao eu iria dar meu apoio, o tiro que antes estava mirado no guarda do centro, agora eu mirava no ultimo, que havia sido derrubado pelo homem em chamas, para assim dar um fim aqueles agressores e libertar de vez aquele homem de um destino cruel.
avatar
Lyria
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Keiko Akita em Seg 24 Dez 2012 - 0:37

@ Venta e companhia.


A situação se desenrolava para o sucesso, sucesso na tentativa de salvar Ahsk. Marianne conseguiu eliminar sem muitos problemas dois dos guardas que o prendiam, mas antes disso ele havia conseguido enviar um ultimo sinal, este que poderia trazer problemas para o grupo caso ficassem ali por muito tempo, Baal por sua vez se via às voltas com o ultimo dos guardas, após a voadora bem sucedida ele seguiu para o guarda novamente, o mesmo que ao perceber que o ser em chamas se aproximava, começou a rastejar de 4 pelo chão na tentativa de fugir, mas os dois, tanto Baal como o guarda foram surpreendidos pela chegada de uma ultima figura, Lyria, a arqueira que das sombras preparava sua flecha, um tiro certeiro na testa do guarda que o fez cair imediatamente.

Apesar disso, Marianne foi a primeira a notar a presença da jovem, logo seguida por Baal e alguns momentos depois de ter se levantado, Ahsk também olhava para a mesma direção que eles, Lyria no mesmo instante sentiu um arrepio lhe percorrer, tendo sido descoberta por eles, e sem saber o que queriam realmente, sua mente pairava na duvida de quem eram aquelas pessoas estranhas, e principalmente, o que era aquela sensação tão estranha que vinha deles? Suas duvidas porem, logo seriam respondidas.

Spoiler:
No próximo turno os reforços chegam, Lyria foi vista por todos, já que revelou sua posição atirando, vou deixar a cargo de vocês decidirem o que fazer.

Baal: +50 exp pela narraçao e pela breve luta com o guarda.
Venta: +20 exp, -3 SP pelo toque abençoado, curou +15hp e estancou a hemorragia(considerei a ultima rolagem novamente).
Flaga: +80 exp pela ótima performance e postagens.
Lyria: +20 exp por ter finalizado o guardinha e pelo belo post ^^

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Venta em Qui 27 Dez 2012 - 19:58

Ahsk erguia-se agora com mais tempo para observar e absorver a situação que o rodeava. Acabara de ser vencido por três meros humanos quaisquer e resgatado por uma dupla de desconhecidos arrogantes que o forçaram a assinar um pacto. De certo não era o melhor dia para seu orgulho que jazia ferido e destroçado. Mas em pouco se recuperaria e então poderia oferecer pagamento por sua humilhação.

Muito em breve estariam cercados por guardas e mais guardas naquele beco escuro; pelo menos teriam uma forma de inutilizar a vantagem numérica dos guardas que viessem. Olhou para os outros dois e sentiu ódio, mas a estrita legislação infernal lhe obrigava a ser grato. Ao menos com quem não já havia pago. Olhou para Baal e disse-lhe.

-Obrigado. De qualquer forma, mais soldados vão vir, este soldado conseguiu fazer seu alarde. Vamos todos ficar próximos dessa parede - apontou para a parede oposta a entrada - para que possamos retirar sua vantagem numérica...

Ao fitar a parede, seus olhos repousaram sobre uma flecha que encontrava-se fincada em um dos corpos e estranhou sua existência naquele lugar, já que nenhum dos membros no local usava um arco. Olhou para trás e pode então perceber uma pequena que trazia um arco e cabelos castanhíssimos que o lembravam de uma antiga beleza russa cujo leito visitara por várias vezes em tempos a muito passados. Abriu um largo sorriso e botou seu melhor olhar 43 no rosto, sinalizando gentilmente para que viesse e falou-lhe, aumentando a voz para que esta chegasse sem problemas a seus ouvidos.

-Corra para cá, rápido! Tem mais desses vindo e vão te pegar pelas costas se ficar aí. Espero que você não tenha problema em lutar, só conseguiremos sair desta juntos!

Guardava suas adagas em suas bainhas, mas já as preparava de antemão com mais uma carga dupla de sua habilidade. Pelo menos ainda possuía um turno para se preparar.

OFF: Uso minha skill, pago o dobro de SP pra aumentar o dano de +5 pra +10. Também quero rolar minha sedução na mudinha.
avatar
Venta
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Lyria em Qui 27 Dez 2012 - 21:18

Lyria se encontrava agora numa situaçao complicada, para alguem que nunca havia feito mal a uma pessoa antes, matar fora uma experiencia ao mesmo tempo emocionante mas terrivel, agora que tudo estava mais calmo e a situaçao estava sob controle, Lyria se encontrava agachada proxima a entrada do beco, porem ja nao estava mais escondida, as mãos da menina tremulas e seu olhar vidrado no corpo do homem que agora jazia sem vida a alguns metros dali.

Um misto de medo e adrenalina percorria suas veias, seu coraçao em disparado e sua mente a mil por hora mal podiam processar todas aquelas informaçoes, até que uma voz forte a fez acordar daquele transe momentaneo, tratava-se nada mais nada menos que o homem o qual ela havia salvo a vida, distraira-se tanto com o que havia feito e suas possiveis consequencias que se esquecera de uma das regras mais importantes de uma caçadora, jamais revele sua posição antes do tempo.

O homem porem parecia ser bem diferente olhando com mais atenção, sua beleza exotica e seu olhar a deixaram um pouco deslumbrada por alguns segundos, e demorou para absorver o que ele havia lhe falado, assim que entendeu o recado, Lyria imediatamente olhou para o lado, percebia uma grande movimentaçao na rua de onde viera e novamente olhou para o rapaz, seu olhar hipnotico e sua voz penetrante de alguma forma a acalmaram um pouco, ainda com um pouco de medo do que iria acontecer em seguida, Lyria decidiu que se juntaria a eles por enquanto, até que estivesse longe daquela confusão pelo menos.
avatar
Lyria
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Flaga em Sex 28 Dez 2012 - 0:15

E dera certo seu plano de dominar o demônio. Fora mais fácil do que esperara, talvez o rapaz realmente não fosse tão forte. Mas teria mais um aliado incapaz de traí-la até a compleção do pacto e sabia ser esperta o suficiente para não cair nas armadilhas de suas ações tortuosas. Vira também a menina arqueira que agora o demônio parecia ter convidado a se juntar. Uma boa idéia, pensou, a usamos e depois a devoramos. Mas bem no fundo não sentia-se confortável com a presença de Lyria ali.

Mas aquele não era ainda momento para comemorar, já que podia sentir a aproximação inquieta de várias almas correndo a seu encontro. Talvez pudesse fazer um banquete hoje. Virou-se para Baal e mentalmente exclamou seu nome para que lhe desse atenção.

Então fizera materializar em suas mãos um objeto circular e de intenso negrume, do tamanho de uma bola de futebol, com duas finas e alongadas elipses em alto relevo em sua fronte e dois objetos amarelados em formato ligeiramente oval sob seu corpo principal. Atrás do objeto saía uma espécie de alavanca de torção, e em seu topo havia um fio branco.



Para Baal: "Pegue sua montaria, leve essa menina. Quando vir a primeira onda chegar, vou segurá-los. Acenta o pavio e jogue no meio de quem vier."

Para Lyria: "Vai com o esqueleto no pangaré dele, em cima você vai estar segura pra fazer as flechas choverem.


Edit: tive que pedir pro Venta ver os sps de invocação ahahaha


10 dano = 30 sp
Uso único = -5 sp
3m raio de esfera = 15 sp

Total: 40 SP

Perícia +4 em evocação, 14 de dano total.

__________________________________
The Wrath of The Lich Queen!


They'll kill for me, steal back my freedom,
Set me free, it's my minions vs. thee.
avatar
Flaga
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Baal em Sex 28 Dez 2012 - 0:50

Estava eu calmamente esfregando a cara do guarda no pavimento quando noto uma flecha nele. Imediatamente olhei na direção de onde ela possivelmente veio e olhei, em um misto de perplexidade e curiosidade.

''Mas quem é essa, agora?''

Geralmente as pessoas ME atacam quando veem uma caveira monstruosa ardendo em chamas, mas ela estava nos ajudando. Ou ela tinha um péssimo senso de julgamento, ou tinha errado o disparo. E se tivesse errado o disparo, eu iria acertar uma bifa crepitante naquele rosto, oque seria uma pena, porque se tivesse lábios na minha forma demoníaca, teria aberto um sorriso sádico e malicioso quando a vi. Apesar das ultimas experiencias não terem sido das melhores, aquelas belas curvas e aquele olhar ingenuo me atiçaram a ponto de esquecer qualquer situação anterior.

Bufei com a comicidade da situação e me levantei, observando o movimento geral. Senti cheiro de briga eminente. Gostei.

-Obrigado. De qualquer forma, mais soldados vão vir, este soldado conseguiu fazer seu alarde. Vamos todos ficar próximos dessa parede - apontou para a parede oposta a entrada - para que possamos retirar sua vantagem numérica...

''Com quem você pensa que está falando seu...''

Olhei rápido para o homem se levantando, ele ainda estava bem ferido, apesar de bem melhor do que antes. Ao menos, já conseguia se mover e falar sem cuspir sangue. Antes que pudesse esboçar qualquer coisa ele se virou para a arqueira e seu grito me cortou o pensamento.

-Corra para cá, rápido! Tem mais desses vindo e vão te pegar pelas costas se ficar aí. Espero que você não tenha problema em lutar, só conseguiremos sair desta juntos!

Olhei para o homem, depois para a garota e senti como se meus músculos inexistentes sobre os ossos quisessem se repuxar novamente em um sorriso. Pensei com malícia e já imaginei que não era o único que gostaria de testar a 'inocência'' da arqueira.

'' ... Entendi ... ''

Mentiroso patológico como imaginei que ele era, partiu para a abordagem mais simpática possível, parecia ser um cara legal, pelo menos educado. Ao contrário da frieza da marianne.

Todos tentaram se posicionar apesar da vontade de dizer aquele homem,seja quem fosse, que eu fazia oque eu quisesse. Mal tinha tomado uma surra e já se imaginou capitão de alguma coisa. Esse pensamento me foi cortado pelo apelo de Marianne que já havia convocado um ser esquisito e me entregue. Apesar de não gostar de só receber ordem, fiz oque ela pediu, mais pela parte da carona a arqueira do que por realmente acha que aquilo seria um bom plano. Mas olhei irritado para ela e sabia que a lich era boa o suficiente pra saber exatamente oque eu estava pensando.

Chamei meu fiel cavalo e ele respondeu fazendo um rasante e logo pousando, com suas asas negras. Subi nele e guardei como um presente a esfera esquisita que a lich havia me dado. Logo olhei para a arqueira, com o sorriso mais simpático que meu rosto duro poderia dar e falei, me transformando novamente em humano para TENTAR não assustar a garota tanto assim.

- Você vem,arqueira?
avatar
Baal
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Keiko Akita em Sex 28 Dez 2012 - 15:19

@ Baal e companhia


A tropa de soldados chamada pelo comandante vinha correndo pela rua, eram 20 soldados ao todo e todos eles ja sabiam onde estavam seus alvos, mas o quarteto mal sabia o que os aguardava, Lyria foi a primeira a ver a movimentação de soldados, mas não conseguiu distinguir o numero certo, se aproximou então do trio, ainda assustada, mas seus olhos estavam apenas em Ahsk, sua beleza deslumbrante havia hipnotizado completamente a menina, que mal conseguia pensar no que estava fazendo.

Marianne então começou a traçar seu plano de ação, invocou uma especie de bomba e a entregou nas mãos de Baal, e pediu para que ele levasse consigo a arqueira que agora se juntava ao grupo, Lyria ainda em transe, levou um susto ao perceber que a garota também tinha o poder da telepatia, assim como ela, mas não questionou, nem respondeu a ordem da Lich, apenas ficou observando tudo acontecer ainda assustada, a situação era bastante inusitada e muita informação ao mesmo tempo na mente da jovem, o cavalo voador então pousou a frente deles, Baal rapidamente subiu nele e saiu da forma demoníaca logo em seguida chamando Lyria.

Quando a menina se preparava para subir na montaria voadora, eles puderam ouvir o som das passadas rápidas, eram varias, tudo indicava que era um numero grande de soldados, então todos ao mesmo tempo olharam para a entrada do beco e puderam ver as sombras dos soldados se aproximando, e logo apareceram os primeiros, a frente deles estava um soldado de armadura de metal, com um elmo que deixava a mostra apenas seu rosto, e logo atras os soldados se amontoavam, no minimo uma duzia pensou Ahsk.

Comandante - Parados todos vocês, estão presos pelo crime de assassinato, rendam-se imediatamente ou preparem-se para as consequências.

Falou o comandante em alto e bom som, enquanto suas tropas já puxavam suas armas. Haviam alguns arqueiros, lanceiros e espadachins, mas pelo tamanho do beco e pela forma como estavam posicionados não dava para dizer ao certo quantos haviam ali.

Spoiler:
Vocês não sabem ao certo quantos soldados tem ali, mas com certeza é mais de 10, todos eles usando armaduras de couro e armas simplórias, menos o comandante, que esta usando uma armadura completa de metal.

A habilidade do Venta já está carregada, -26 SP.

Marianne, sua bomba da só 14 de dano? Ou ela usa seu ataque magico tbm? Ou no caso o ataque magico de quem lançar a bomba? Só pra saber mesmo u.u

Lyria, considerei que você aceitou subir na montaria do Baal, ok?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Thunderstorm em Sex 28 Dez 2012 - 21:28

《I》

Alécya estava andando há dias procurando por alguma diversão cuja qual poderia quebrar ou arrancar alguns membros ou qualquer coisa do gênero que levasse em conta. Havia acabado de descansar, estava extremamente cansada de permanecer sentada, esperando a boa vontade vir novamente –– E o mau humor que estava sentindo naquele momento havia tomado conta de si, ainda não tinha conseguido encontrar alguém para cair em cima ou provocar até que conseguisse uma briga.

Tinha acabado de chegar a uma nova cidade desconhecida, nunca havia pisado ali e por ser um lugar estranho talvez conseguisse achar algo que a tirasse daquele tédio constante. Apenas continuou andando silenciosamente, reparando em tudo e por qualquer coisa que passasse.

Podia perceber que essa nova cidade haviam diversas pessoas jogadas no meio da rua, provavelmente elas moravam ali ou algo do tipo. Ficou um pouco mais “alegre” ao ver que as pessoas eram mal encaradas, assim como ela.

A garota estava usando uma camiseta regata branca com a estampa de uma caveira bem no centro da mesma que possuía a tonalidade preta. Estendia-se até metade de seu bumbum, logo seguido por uma calça de couro preta que era justíssima.

Em seus pés utilizava uma bota preta, ela por sua vez não possuía salto nenhum. A bota se estendia até a batata de sua perna possuindo duas tiras contendo três dedos de largura cada uma: A primeira se encontrava bem quando a bota terminava de se estender, contendo um feixe quadrado que era aplicado para prender ou apertar a bota conforme a vontade da garota e a segunda se encontrava mais a baixo, onde começava o pé. Essa, igualmente a outra também continha o feixe.

Em um de seus pulsos finos estava utilizando uma pulseira em couro macio com três tiras, rebites e fivela em metal. Ela se regulava com alguns botões de pressão, contendo vinte e dois centímetros de comprimento e sete de largura –– Seus cabelos vermelhíssimos estavam soltos, bagunçados e alinhavam-se perfeitamente em seus ombros, acompanhando as curvas de seu corpo.

Já em suas costas estava fixo seu enorme martelo –– Ele possuía alguns centímetros a mais que a garota, por ela parecer tão inofensiva dava o ar de que aquilo iria derrubá-la a qualquer momento e muitas pessoas se questionavam como uma pessoa aparentemente tão fraca era capaz de conseguir carregar algo tão pesado daquela maneira.

––– Será que não vai ter nada de interessante por aqui? Mas que...

Seu resmoneado havia sido interrompido pelo barulho de uma movimentação dessemelhante, naturalmente abriu um pequeno e irônico sorriso no canto da boca –– Se fosse o que estava pensando talvez pudesse ter algum tipo de diversão naquela noite.

Com cautela foi atrás do barulho para saber o que realmente era e se deparou vários homens amontoados que pareciam mais guardas. E suas conclusões apenas se confirmaram ao ouvir um deles ordenando que todos ficassem parados por ter cometido algum assassinato.

A garota não conseguia ver a quem eles estavam ameaçando partir para a agressão caso não obedecessem, mas com certeza deveria ser um grupo se não, não teria motivo para ter tantos homens juntos ali.

Ela estava a diversos passos de distância, encostou seu corpo em uma parede que havia ali enquanto observava silenciosamente os movimentos dos homens. Franziu as sobrancelhas, tentando entender a situação em que se encontrava –– Diversas e rápidas vezes olhava para trás, para ver se não via nenhum outro guarda vindo em direção ali, para se juntar com os outros que ali já estavam.

Silenciosamente levou as mãos até o machado que estava fixo em suas costas, pegando-o rapidamente –– Agora se encontrava em uma encruzilhada: Ou saía dali enquanto era tempo, ou chamaria atenção para que eles percebessem que havia mais uma ali, ajudando o pequeno grupo que agora teria que enfrentar tantos homens.

Alécya não tinha noção de quantos ou quantas havia no grupo, primeiramente pensou ser um grupo mediano e julgou que não fossem tão fortes, mas optou por ora arrumar a diversão que queria, consequentemente ajudando o grupo.

E então já segurando seu machado firmemente foi dando alguns passos para trás, o bastante para ter um pouco mais de vantagem.

––– HEI ! SE EU FOSSE VOCÊS TAMBÉM TOMARIA CUIDADO AOS ARREDORES E NÃO SÓ AÍ NA FRENTE... HAHAHAHA –– Falava com um ar de deboche, enquanto corria ferozmente em direção aos homens.

A adrenalina aumentavam em suas veias e a fome de querer brigar só fazia com que seu sangue formigasse.

Vamos ver quantas cabeças eu arranco hoje..–– Pensou consigo mesma.

avatar
Thunderstorm
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Venta em Dom 6 Jan 2013 - 0:45

A arqueira erguia vôo juntamente com o ossada esquisito, e isto deixava Ahsk aberto para um novo leque de opções malignas que ainda não queria que sua futura vítima o visse praticar.

A priori queria atirar suas adagas aos guardas e fritá-los dentro de suas finas vestes de couro, mas um comichão no fundo de sua mente dizia que não era a melhor idéia. Tinha fome, e a maga que assolaria seus pesadelos garantira que não chegariam tão cedo a penetrar a barreira que ela tinha interposto. Sentiu-se mais humilhado e fraco; perto das capacidades daquele grupo ele não era nem um pouco útil.

Ergueu o corpo desmaiado de um dos soldados que já beirava a morte e, fitando os olhos do homem mais bem-armadurado do grupo de inimigos, fincou suas duas facas no pescoço do rapaz, finalizando-o e fazendo seu corpo pular e dançar pelo súbito surto de impulsos elétricos.

Absorvia os olhares de nojo e pavor de seus inimigos como um raro tempero para sua refeição, então levou um dos braços do agora defundo a sua boca e arrancou-lhe um naco de carne com seus poderosos dentes, mastigando-o com vigor.

Era bom que esta barreira realmente pudesse aguentar um tanque de guerra, ou estaria em sérios problemas.

OFF: enfiei a faca no cara já morto pro raio da skill não me ferir e comi um pedaço do braço dele como forma de ajudar a sanar as desvantagens e constranger o inimigo à irracionalidade.
avatar
Venta
Transcendente
Transcendente


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Baal em Dom 6 Jan 2013 - 4:25

'' Todo mundo ta se sentindo alguma merda hoje ''

Cheguei a essa conclusão enquanto observava com calma todos se posicionando a espera de talvez um Armagedom. De uma maneira quase poética e irônica, estavam todos ali unidos pelo mais nobre dos ideais que era sair vivo. Mas eu sabia que ninguém ali era do tipo que ia a um templo. Todos tinham conta para acertar e viviam para causar o maior estrago possível. Agora todos os hipócritas fingiam ter algum laço de companheirismo, enquanto os inimigos se armavam do outro lado. Achei cômico quando a coisa aperta até os vilões se unem. Coisa de sobrevivência, acho.

A garota subiu em pesadelo que estava transformado em um pegasus e levantei vôo. Meu medo foi não conseguir voar graças ao espaço pequeno, mas de algum jeito consegui. A primeira coisa que pensei foi em dar o fora e deixar os outros pra morrer, ja tinha a garota, ela sabendo disso ou não e eles estariam tão ocupados tomando uma surra que dificilmente perceberiam. Mas eu fiquei, não por lealdade, mas porque estava louco por uma briga.

Enquanto voava metros acima como um abutre, rodeando a área para não ser um alvo fácil. Permanecia sempre em movimento e sempre alto par anão ser atingido por flechas ou oque fosse. Esperei os inimigos se adiantarem mas de repente vi outra mulher, com um machado enorme, simplesmente pulando em cima dos inimigos

'' Outra maluca? Oque tem com as vadias dessa cidade? ''

Querendo ou não, ela iniciou a ação e achei que seria um bom momento. Soltei a bomba perto do comandante, tanto porque lá trás havia algo que parecia ser uma aliada de peitos grandes, quanto par alimpar a área do resto do time, abrindo caminho. Quase ao mesmo tempo, enquanto voava mais baixo para me aproximar falei com a arqueira.

- O nome é Baal, e a ordem é pra não cair do cavalo... Tchau.

Quando fiquei a uma altura não fatal, dando um rasante com o cavalo, saltei dele me jogando em cima dos inimigos. Enquanto isso me transformei em caveira novamente, soltando uma gargalhada esganiçada e vil. Procurei cair próximo da garota do machado. Mais do que isso, procurei cair em cima do soldado mais próximo. Eu estavam bem alto e rápido apesar de ter tido a certeza de propiciar um salto perfeito e não suicida, seria meus próprios inimigos que iriam amortecer a queda e aproveitei para me transformar em um homem em chamas, caindo do céu com os dois punhos preparados pra distribuir porrada no primeiro que desse mole... Vida loka.


off: Cai em cima da galera e dei dois golpes em soldados diferentes, com ambidestria... Isso se der,claro.
avatar
Baal
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Flaga em Sex 11 Jan 2013 - 15:55

Finalmente o banquete havia chegado. A Lich desejava não ter que lutar contra tantos de uma só vez, já que a alma é um produto deveras perecível, mas não havia escolha. Apenas tranquilizava-se que com a força combinada que havia juntado naquele beco era o suficiente para derrubar uma manada de olifantes.

Erguia com seus princípios da magia uma barreira de ar de forma a fechar o beco e isolá-los, entre seu grupo e os guardas.




"Pus uma barreira invisível para segurar os soldados, não tente encará-los de frente agora." avisava a seus 'aliados', de forma a evitar constrangimentos e que seu plano fosse entregue.

__________________________________
The Wrath of The Lich Queen!


They'll kill for me, steal back my freedom,
Set me free, it's my minions vs. thee.
avatar
Flaga
Aventureiro
Aventureiro


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Lyria em Seg 14 Jan 2013 - 19:59

Lyria subiu no cavalo um pouco receosa, seus olhos ainda em Ahsk, estava preocupada, tanto com o homem quanto consigo mesma, agora que havia começado aquilo, iria até o fim, não sabia o que estava acontecendo ao certo, pois havia chegado depois, mas sabia que agora que estava metida nisso, Lyria precisava ajuda-los a sair dali. Outros soldados vieram e cercaram o beco onde estavamos, haviam varios deles e todos armados, quando vi os arqueiros eu engoli em seco, se fosse atingida enquanto voava seria um problema sério.

Quando levantamos voo tratei de identificar possiveis alvos, os arqueiros seriam meus alvos primarios, eles eram os mais potecialmente problematicos, tanto para mim quanto para o homem que estava junto comigo, me preparei para atirar no primeiro alvo, mirei com bastante cuidado pois agora estavamos em pleno voo, mas a chegada de uma outra mulher com um machado talvez ajudasse, deixando-os confusos em sua formação inicial.

A flecha estava pronta e o arco preparado para atirar, mas Lyria nao conseguia soltar a flecha, era um misto de sensaçoes sem tamanho, o medo, a preocupação e toda aquela situação deixaram a jovem travada no ultimo segundo, seus pensamentos a mil por hora, viu o cavalo se aproximar pelo mesmo lado que a garota do machado agora diminuindo a altura, chegando cada vez mais proximo do chão, entao a voz de Baal a acordou como um sinal de alerta em meio ao perigo.

"Mas o que ele vai fazer? Ele não vai fazer o que estou pensando vai?" Pensou lyria ao ver ele se posicionar como quem fosse se preparar para pular do cavalo, talvez ele estivesse se preparando para se jogar em cima do inimigo, e essa era a chance que lyria precisava para atirar, aproveitando que a distancia diminuira e que agora o cavalo ia na direção dos alvos em linha reta, a garota atirou mirando em um dos arqueiros presentes.
avatar
Lyria
Aprendiz
Aprendiz


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Keiko Akita em Qua 16 Jan 2013 - 0:25

@ Lyria & Cia


Os soldados haviam cercado o beco, porem era estreito demais para que todos entrassem juntos, porem o grupo não podia ver quantos eram seu adversários, assim que Lyria subiu em Pesadelo o mesmo levantou voo, não teve muitos problemas para isso, e logo viu alguns dos soldados apontando suas flechas para eles, mas sem sucesso devido a velocidade e altura dos dois, a segunda a agir foi Marianne, que tratou de levantar uma barreira de vento a frente dos soldados para impedi-los de passar.

Ahsk apenas confiou em sua nova parceira, deixando-se levar pelo seu desejo de carne, o mesmo eletrocutou o corpo do soldado que estava mais próximo e logo em seguida arrancou um pedaço de carne do braço do mesmo e mastigou. O comandante ao ver a cena pareceu não ter gostado nem um pouco, mas ao tentar avançar se deparou com a barreira de Marianne. - Seus vermes sujos, rendam-se imediatamente, nada que vocês fizerem os livrará da morte a partir de agora.

O comandante então se afastou e outros 3 espadachins começaram a atacar a barreira criada por Marianne, mas ela era forte o suficiente para aguentar pelo menos por enquanto, nesse meio tempo, Baal e Lyria faziam sua investida aérea, e Baal agora jogava a bomba ambulante no meio dos soldados causando uma pequena explosão que derrubou muitos deles no chão e desconcentrou todo o resto, agora Alecya chegava de surpresa pela retaguarda atacando o primeiro que visse pela frente. Baal e Lyria vinham rasante em cima de pesadelo, Baal se preparava para pular enquanto Lyria preparava um tiro certeiro num dos arqueiros, assim que Baal pulou em cima dos soldados, se atracou com 2 deles, que caíram com o impacto de Baal mas ainda conscientes.

- Mas o que está havendo aqui? Peguem todos estes criminosos imeditamente! - Gritava o comandante em meio a fumaça da explosão.

Lyria continuou no cavalo e esperou pelo momento certo para atingir um dos arqueiros, seu tiro fora certeiro, acertando bem no coração do soldado que caiu já morto no chão. Pesadelo agora ganhava altitude para poder dar a Lyria mais segurança para atirar em seus inimigos, mas antes que pudesse, um ultimo soldado conseguiu atingi-la em pleno voo, uma flecha certeira em sua coxa esquerda, que a fez quase perder o equilíbrio, mas com um pouco de força ela conseguiu se manter no cavalo, mas a flecha agora estava cravada em sua perna e a dor era muito forte e a desconcentrava um pouco.

Spoiler:
Alecya: cortou um dos soldados ao meio. D=
HP 60/60 SP 40/40

Marianne: -3 SP pelos princípios da magia, sua barreira ainda esta de pé, mas por muito pouco.
HP 100/100 SP 72/170

Venta: ...
HP 55/76 SP 72/104

Baal: Pegou 2 deles de jeito, Deu 23 de dano em um deles, e 14 no outro, agora ta no chao por cima dos 2 soldados.
HP 27/27 SP 23/23

Lyria: Deu HS tbm num dos arqueiros u.u, mas levou uma flechada na perna e perdeu 7 HP.
HP 28/35 SP 15/15
Flechas 99/100

Arqueiros:
1 - Morto
2 - 26/40
3 - Morto
4 - 40/40
5 - 40/40
Lanceiros:
1 - 18/50
2 - 41/50
3 - 41/50
4 - 41/50
5 - 41/50
Espadachins:
1 - 52/60
2 - 52/60
3 - 52/60
4 - 52/60
5 - 52/60
Comandante: 74/80

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ruas de Kannin

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 6 de 9 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum