Lydia Hardins

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Lydia Hardins

Mensagem por Lydia em Qui 27 Ago 2015 - 2:04

Nome do Personagem: Lydia Hardins
Raça: Ninfa (2 Pontos)
Classe: Arqueira ~  Estudioso (3 Pontos)
Nível do Personagem: 1
Idade Real/Idade Aparente: 100 ~ 17
Altura: 1,67m
Peso: 50kg


Características Físicas:
É uma jovem de pele alva, suave e extremamente delicada. Seu rosto não possui imperfeições, assim como o corpo, que tem belas curvas e é distribuído de forma boa com base na sua idade aparente. Os olhos são cinza, sem tanto destaque para a sua beleza, mas o que realmente chama atenção nela, além de seu corpo é obviamente a coloração de suas madeixas. Há uma variação entre elas, sendo algumas pretas e outras brancas, separadas de forma diferente do comum sem qualquer intervenção dela, pois o cabelo já é assim de natureza e acostumou-se à usa-lo penteado de tal forma. As vestes são bem leves para a boa movimentação, enfaixa o braço esquerdo para esconder a tatuagem negra que possui no braço, virando um costume e não exibe nenhum acessório raro ou coisa do tipo. Em seu braço esquerdo há uma pulseira com uma pedra que lembra esmeralda, mas ela não sabe dizer se é isto, pois não possui conhecimentos nesta área. Só que a peça mais importante é o longo cachecol vermelho que fica em seu pescoço o tempo inteiro, isto parece ser especial de alguma forma que a jovem não lembra, mas é a coisa mais especial que guarda consigo.

Personalidade:
Sem saber sobre o passado, viveu com pessoas que nem mesmo a olhavam e isto fez ela ter uma atitude indiferente com basicamente todos que não lhe interessavam. Possui uma mente calma, tranquila e focada que não é facilmente abalada. Não tem problemas de comunicação, pois sabe se adaptar de acordo com o momento ou a pessoa com quem precisa interagir, mas não quer dizer que gosta desta interação. Conversar com qualquer um que seja é apenas parte de sua vida, pois não há como viver apenas ignorando o fato de existirem outras pessoas por ai. A atenção que chama para si é um pouco maior do que gosta, mas lidar com isto não é problemático quando se sabe como atuar na exata situação. Para ela gostar de alguém é preciso tempo de convivência com outra pessoa, conversar, trocar idéias e entender como tal ser funciona para saber se é do seu interesse ou não. Mas quando se aproxima de alguém, separar-se é uma tarefa chata, despedidas não são o que a jovem gosta e foi assim com a única pessoa que lhe acolheu quando estava perdida e sem memórias. De um modo geral, é calma, amigável com quem merece e feliz na maior parte do tempo, mostrando lados mais reservados apenas para quem é próximo, pois gosta de sua privacidade e como não tem amigos, não sabe tão bem como seria ter uma relação verdadeira de amizade, já que a maioria das que criou são farsas para sobreviver neste mundo. As trocas de forma não lhe afetam tanto, pois se tornou uma coisa tão natural que acabou sendo simples para ela lidar com a forma masculina que acabava assumindo diversas vezes, além da aura estranhamente sombria que possui um fato também desconhecido para ela e que pode estar ligado com sua perda de memória e o seu eu anterior. Olhar-se no espelho é a pior coisa que pode acabar acontecendo, mesmo que saiba se tocando que não é tão horrível quanto aparenta ser ao olhar seu reflexo, pensando ser mais uma maldição de sua antiga vida.

História:
O inicio não foi uma maravilha como é esperado. Lydia nunca conheceu seu pai quando mais nova, pois o mesmo partiu em uma jornada sem volta logo após a noticia de que ela estava para nascer. Em partes foi culpa da jovem, já que o homem era apenas um humano conhecido como Kleckm Lushfmur, que viajava pelo mundo e tinha relações aqui e ali sem nenhum interesse fixo. Sua vida era claramente empolgante e ficar parado em apenas um lugar não parecia a ideia correta, por isto o pai da garota partiu cedo sem nem mesmo ver o rosto da própria filha. Não houve qualquer sentimento, pois tudo o que fizera tinha sido por prazer e ter relações sexuais com a mãe de Lydia, Catherine, foi apenas a forma de passar o tempo enquanto descansava de mais uma de suas jornadas. O local em que a ninfa vivia era bem simples, com casas normais entre os humanos em sua vida normal, trabalhando como cantora sem um lugar fixo para os serviços. Com uma bela voz e a aparência divina que possuía, Catherine conquistou facilmente Kleckm e este se apaixonou, mas mesmo com a paixão não havia nada na cabeça dele que o faria ficar naquela cidade. Foram algumas noites, a ninfa e o humano se relacionaram e somente depois algumas semanas que ficaram realmente sabendo sobre a gravidez. O pai de Lydia não esperou nem mesmo um dia, arrumou suas coisas e desapareceu durante a noite enquanto Catherine dormia. Ela claramente ficou triste, mas aguardou tranquilamente pela vinda de sua filha, dando a luz tempos depois com a ajuda dos vizinhos que eram bem apegados a ninfa. Falar sobre o pai era uma coisa absolutamente proibida, por isso a jovem ficou sem saber exatamente o que ele fazia além de explorar o mundo. Desde pequena foi ensinada por sua mãe nas diversas artes conhecidas por ela, treinando arduamente no que lhe agradava mais e estudando todos os dias alguns livros para conseguir ainda mais conhecimento. Sempre esforçada, tornou-se querida pelo povo da pequena cidade, elogiada, diziam que ela poderia mudar o futuro com suas habilidades. O Vale dos Ventos nunca foi um lugar ruim de viver, com pouco esforço a garota conseguiu amigos e avançou em sua vida como se tudo estivesse normal. Uma arqueira estudiosa que amava as artes, tudo o que sua mãe poderia querer uma filha bem forte e decidida sobre o que gostaria de fazer sem se importar com a falta de uma figura paterna. Ninfas não eram odiadas por ali, mas havia seres que não estavam gostando da atenção chamada pela mãe e filha, e isto resultou em um grande problema para ambas. Lydia e Catherine foram capturadas durante a noite e levadas até algum lugar isolado, escuro e fedorento. Não havia nenhum som por lá, somente a respiração da mãe dela que estava acelerada enquanto a mesma parecia estar desacordada. Ainda jovem já tinha poderes controláveis, sentiu a presença de mais três sujeitos naquele local, não conseguiu identificar claramente como eram, mas percebeu a aproximação deles. O som da chave abrindo a porta foi animador, assim como o clarão que bateu no rosto de Lydia. A luz vinha da sala ao lado e quando olhou para sua mãe percebeu diversos machucados, além de sangue e as vestes dela totalmente destruídas ao ponto de nem parecer vestir algo. Catherine tinha sido abusada antes de sua filha recobrar a consciência e naquele momento ela percebeu que era sua hora, não havia homens, eram animais, pareciam orcs que estavam ali apenas para causar o caos. - Hoje é sua vez, bonequinha. - O maior deles tinha uma barba gigantesca que chegava até a cintura, musculoso e alto. Os outros eram inferiores, mas se pareciam um pouco com o maior. Por trás deles havia ainda mais uma pessoa, só que este tinha aparência humana, falava coisas que Lydia não entendia e em poucos instantes ela desmaiou com a força do grande orc. Sempre que acordava, visões pareciam manda-la de volta ao sono e isto seguiu por muito tempo.  Ela não tinha como saber se eram dias, semanas, meses ou até mesmo anos, pois ficava a maior parte do tempo desacordada até sentir uma dor extremamente forte, despertar e observar um dos orcs fazendo coisas com o seu corpo e o de sua mãe. Aquilo afetou a cabeça dela, não era uma coisa normal sofrer tanto assim e somente depois de muito tempo que alguma ajuda apareceu, mas parecia já ser tarde demais. Quando a porta se abriu, um homem de cabelos brancos entrou, suas vestes estavam tingidas pelo sangue dos orcs e a espada em sua mão totalmente manchada, mas o rosto dele se desfez em lágrimas ao fitar Catherine já sem vida no chão daquele quarto imundo. - Me desculpe por isso... Me desculpe por abandonar vocês, mas eu não podia... Eu não posso e nunca poderei conviver com você. Esta é a primeira e ultima vez que me verá, filha. - O homem sorriu e Lydia entendeu o que ele queria dizer, ali estava seu pai, mas já era muito tarde para qualquer coisa. Em um simples toque na testa da jovem, ele a fez desmaiar e depois a levou para longe daquele lugar, para longe de tudo o que ela já tinha vivido enquanto sangrava muito por conta de um ferimento não tratado. A garota não acordou, sua mente estava completamente apagada e Kleckm a abandonou mais uma vez, deixando-a na frente de uma casa envolvendo-a com um cachecol vermelho e colocando uma pulseira sobre seu corpo. Kleckm desapareceu depois daquele fato, todos que o conheciam só podiam falar que ele havia falecido, mas pouco importava, pois Lydia não se lembrava de basicamente nada. Acordou em um quarto bem luxuoso, olhou os arredores sem entender e tomou um susto quando uma velha entrou no quarto com um copo, trazendo bebida quente. - Como se sente? - Foi a primeira coisa que escutou, mas não soube responder. O corpo doía e os motivos eram desconhecidos para ela, nada parecia surgir na sua cabeça, somente um nome "Lydia". - Você se lembra de algo?... Beba, lhe fará bem. - Ela pegou o copo, bebeu um pouco e respondeu ainda hesitante - Lydia... Sou uma arqueira, conheço diversas coisas, amo livros, mas não entendo. Eu não me lembro de nada disso, apenas está aqui e sai como se fosse realmente de meu conhecimento. - Amnésia, claro, a velha tinha percebido e passou o tempo todo no quarto lhe explicando diversas coisas e como foi encontrada, além de tudo o que sentia ao ficar com ela. A conversa durou um bom tempo e foi decidido que a garota ficaria ali, vivendo com aquela velha até conseguir seguir sua vida. Lydia aceitou a ideia já que não tinha para onde ir e virou parte da família sem querer, adotando o sobrenome "Hardins". A família não era tão feliz, todos odiavam a presença da ninfa, mas a velha adorava e ela que mandava naquela casa enquanto estivesse viva. Foram tempos difíceis de readaptação, aprendizado e medo de si mesma. Olhar-se no espelho virou uma tarefa impossível e ela sentia que sua aura era estranha, todos sentiam isto, algo maligno estava ali e foi pouco depois que descobriu sobre uma transformação totalmente estranha de seu corpo. Com todos os fatos sendo analisados, a senhora concluiu que ela estava amaldiçoada ou alguma coisa parecida e não havia como reverter isso no momento atual. De mulher para homem, sem se olhar no espelho, uma presença má e esta amnésia. Tudo tão rápido que não houve como absorver facilmente tantas informações, mas o tempo a ajudou a se recuperar e se tornar uma nova pessoa. Fez uma tatuagem no braço direito que marcava sua aparência, era estranha, pois quem a fez parecia ter grande habilidade e criou algo de destaque que era necessário ser escondido. Só que nem tudo é bom na vida de uma pessoa. Fazia três dias que a senhora havia falecido por causa da idade e Lydia foi imediatamente expulsa da casa pelos filhos dela, ficando na rua, sozinha e sem nenhum lugar para retornar. Tantos acidentes, problemas e maldições em sua vida a fizeram pensar no que deveria fazer. Nada naquele lugar podia continuar e ninguém se sentia bem com a presença dela, tudo o que restou foi se aventurar por Zephyr sem nenhum rumo, indo para onde fosse. Adaptou-se facilmente ao mundo, agindo da forma necessária para viver melhor, usando de mentiras e truques, além de continuar com a evolução de seus estudos em suas viagens. Não havia um lugar que tinha tudo, era necessário viajar, ganhar conhecimento, poder e encontrar a verdadeira pessoa que era.


ATRIBUTOS:

Força: 1
Habilidade: 1
Velocidade: 2 (+1 Raça)
Resistência: 1
Inteligência: 2
Balística: 2

HP: 10 + 7 = 17
SP: 20 + 13 = 33



Talentos:
- Cálculo preciso
- Focar
- Conhecer (1 Ponto)

Pericias de classe:
- Arqueira ~ Pericia com arco Nv.03
- Estudioso ~ Letras/Literatura/ Oratória Nv.01 | Medicina/Anatomia Nv.01 | Psicologia/Psiquiatria Nv.01

Perícias:
- Teatro Nv.01
- Furtividade Nv.01
- Acrobacia Nv.01

Vantagens Raciais:
- Arte

Vantagens:
- Mira Avançada (1 Ponto)
- Radar (1 Ponto)

Desvantagens Raciais:

Desvantagens:
- Amnésia (1 Ponto)
- Traço Marcante ~ Tatuagens negras no braço esquerdo dos ombros até o pulso (1 Ponto)
- Reflexo Sombrio (1 Ponto)
- Transformação Descontrolada ~ Ela assume uma forma masculina que possui a mesma idade aparente, mas é um pouco mais alto, tendo 1,75m e 60kg, além de mudanças óbvias na aparência física que diferencia um do outro e as roupas não tem alteração alguma, ficando com as mesma que estiver no momento da transformação. Os cabelos ficam negros na parte central enquanto o restante é branco, ainda deixando destaque nesta parte. Isto ocorre em dois casos: [1. Quando é Lua Nova | Volta ao normal quando já não é Lua Nova] [2. Quando o HP fica abaixo de 25% do seu total | Volta ao normal quando o HP for recuperado] (1 Ponto)
- Aura Má (1 Ponto)

Estilo de luta: Tai Chi

Movimentos do estilo de luta: ~x~

Itens:
Arco Composto (30 PO)
Aljave ~ 100 Flechas (20 PO)

Magias: ~x~

Resumo de Custos:

Raça: 2 pontos.
Classe: 3 pontos.
Talentos: 1 pontos.
Atributos: 9 pontos.
Vantagens: 2 pontos.
Desvantagens: 5 pontos.
Movimento estilo de Luta: 0 pontos.
Total de Pontos Utilizados: 17


Última edição por Lydia em Sex 28 Ago 2015 - 17:50, editado 3 vez(es)
avatar
Lydia
Novato
Novato


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lydia Hardins

Mensagem por Balin em Sex 28 Ago 2015 - 18:39

Sua ficha foi aprovada. Coloque o link da mesma em sua assinatura, assim como as suas vantagens, desvantagens e talentos(preferencialmente em spoiler, caso fique uma lista muito grande).

Escolha uma região de Zephyr, post em um lugar para começar, depois avise aqui pedindo um GM e indicando o link do lugar aonde iniciou sua aventura.

Parabéns e tenha um bom jogo!
avatar
Balin
Herói
Herói


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum